2.6.17

Escrevo porque preciso, me calo porque canso.

O título foi copiado descaradamente de um post da Tâmara Freire, mas o conteúdo é  diferente, eu agarantio.


Outro dia alguém me perguntou: "só escrever deixa você melhor?" E eu respondi:  escrevo pra não  pirar.

Falar é  complicado. Tem o tom. Tem a falta da tecla backspace. Tem o timing. Escrever é  complicado também. Mas de um jeito diferente. Claro que não é  todo mundo que consegue fazer qualquer um dos dois (muito menos os dois) bem. Pra mim, é  mais fácil escrever, obviamente penso que escrevo melhor do que falo.

Mas sabe uma coisa? Quando a gente fala, fica dependendo da reação do outro, fica na tensão esperando o que vem de lá. Quando escreve... dane-se a reação. Escrevo porque EU preciso. Se você quiser ler, eu deixo. Se não quiser, fiz minha parte.

Só que tem hora que a gente se sente "pregando no deserto", como João Batista. Jogando palavras ao vento, repetindo a mesma mensagem de várias formas e linguagens diferentes, mas, efeito, que é bom, cadê? Aí a gente cansa. Cansa e até o silêncio fala. 

11.5.17

Dancei!!!



Falando sério: nem acredito que isto aconteceu. Se há um ano alguém me dissesse que eu estaria dançando no palco do Teatro, eu responderia: "é  um sonho... que não tem previsão de se tornar realidade!".

Mas sonhos se realizam, SIM!!! E a experiência de pisar naquele lugar sagrado tendo que pensar em roupa, sapato, cabelo, make, e NÃO ERRAR OS PASSOS... é  incrível!



 Deu dor de barriga (literalmente)? Deu. Fingi que tava tudo bem? Fingi. Curti cada momento como uma adolescente cazamigas?  Curti.

E faria tudo novamente durante este ano, para que essa noite linda se repetisse.

E farei de tudo para que outras aconteçam.

Minha gratidão a Juliana Menezes que me indicou a Estação da Dança,  a Bianca Lavigne e Djalma Fernandes que com toda paciência transformaram meu corpo desajeitado no de uma dançarina,  a Marcelo Amorim meu par no palco e a cada colega com quem divido as noites de segunda e quarta entre erros e acertos.




"Descobri que te amo demais..."
Fotos de Kelson Souza e Marido Carlos Mascarenhas

29.4.17

10 (ops! 9) coisas que eu não sei ( e outras tantas que eu sei!)


[Idéia descaradamente roubada – e adaptada – da     Silmara Franco.]
Eu não sei fazer piada,
fazer caruru,
fazer cobrança.
(Mas sei fazer mudança, lambança e festança.)
Eu não sei jogar Wii,
andar de patins,
nem pisar de leve.
(Mas sei pular amarelinha, andar de bicicleta e a cor da neve.)
Não sei costurar,
fazer pastel
nem viver longe do mar.
(Mas sei bordar, fazer carne de sol com pirão de leite e blogar.)
E pra terminar,
eu não sei dançar… tão devagar pra te acompanhar!*
Mas sei que a nossa dança é tanta
que toda a cidade se iluminou… e o mundo compreendeu, e o dia amanheceu em paz!



* Escrevi isso antes de entrar na aula de dança!