31.7.06

Já é segunda feira...

E não tenho do que reclamar do meu findi! Aos que me procuraram no msn e não encontraram... não, não bloqueei ninguém nem fiquei sem acesso à net. (Tive que responder esta pergunta ontem à noite várias vezes! kkkk) Aos que vieram aqui querendo post novo... não, eu não deisisti de deixar ler. É que os dias foram tão bonse tão intensos, que não deu mesmo pra parar... e vão se acostumando, porque as próximas duas semanas são as últimas do semestre letivo = PAULEIRA DA BRABA e as quatro seguintes serão de férias = RELAX DO BOM!!!!

Mas enquanto estamos antes da pauleira... Deixa eu dar meu relatório!

No sábado logo cedo (milagre!!!) Regina e Rebeca chegaram aqui em casa (com Matheus também, claro!) e apesar de eu ter concordado pelo telefone em ficar em casa elas não estavam a fim de praia, ohhhhh...) já as recebi de biquine e passando bloqueador solar! E assumi na hora: "Só disse que não ia pra vocês saírem daquela *roça*, mas vocês sabem que eu troco qualquer programa por uma praia... " Bom, sei que elas não se arrependeram.



ficamos na cabana de Sissy (desculpaí Cacau, mas o carango tava horrivel; se vc pensar assim talvez se sinta melhor. Olha nossas caras de tristeza...) até mais de 3 da tarde. Depois passamos na casa de Sílvia, e ficamos lá batendo papo à beira da piscina, comendo goiabada com queijo (já tá virando tradição) mas não quis nem chegar perto do barco, por causa do trauma com a minha câmera. Bem, a ida à casa de Sílvia me trouxe uma recordação boa... que quero repartir com vocês. Quando chegamos lá foi a primeira coisa que vi: Ela estava vestida com a blusa do Centro de Musicalização de Ilhéus. Ah, tá... e daí? Bem, essa era a minha escola de música, há exatos dez anos atrás (ô blusinha da malha boa, né?) quando Stellinha, a filha dela era minha aluna de piano. No recital de 96, no teatro, fizemos a blusa pras crianças e algumas mães também quiseram. Foi uma emoção diferente lembrar disso naquela hora... pois na minha vida eu sou muito de "fechar portas" quando encerro etapas da minha vida. Daqui a pouco volto a esse assunto. (esse post *promete*...)


Bem, à tardinha tive um compromisso familiar / profissional. Foi o niver da minha prima-irmã (acho que posso considerar assim...) Malu. Apenas 2 meses separaram nossos nascimentos, e fomos criadas juntas, com roupinhas iguais compradas pelas mães... inclusive o famigerado maiô de Futura Miss Brasil (coisa de louco!) Muuuito diferentes a vida toda, brigas homéricas mas amor imenso sempre. (como irmãs, eu falei!) E ontem teve sessão de fotos tipo book (ela estava fazendo 15 anos, mas preferiu a viagem à Disney, em vez da festa com a valsa e talz.) Bem, fotos de profissional não vem parar na net sem autorização expressa da cliente, por isso... sorry, people! Cheguei em casa já tarde, e quebrada da praia, fui cedo pra cama... nada de postar, então.

Domingo o programa é ir à igreja pela manhã, mas esse ainda teve um complemento, almoço com as pessoas maravilhosas que formam o meu grupo pequeno (ah, não dá pra explicar não, viu?) Nem preciso dizer que comida foi the must, né? Não, mentira. The must foram a pessoas mesmo. Risadas que fizeram lembrar da Marilyn com seus *abdominais gargalhísticos*. Recepção deliciosa e gentil, como sempre, de Débora e Jonir, (gente, que marido é aquele? Ainda existe isso?????) com direito à sonequinha de 15 minutos pra refazer o espírito hehehe... (é, eu sou assim!).



Mas... no meio do *bem bom* com Jailma e Zélia, me sai Antônia com a bolsa no ombro: "Anabel, Vamos!" - Hã? Vasculhei rapidinho a cabeça. Será que eu perdi algum pedaço? "Pra onde?" -"Ali. Deíze disse que você vai ali comigo." - Hã???? Eu:"Fazer o que?" Ela: "Ali no Lindviver... não sei não. Vamos." Ainda perguntei se era de carro ou a pé, *meicocompletamente* desorientada. Só depois fui entender a estratégia da criança.

Recém-chegada à Igreja Batista Lindinópolis (7 meses é recém, né?), já tinha ouvido falar no Lindviver, mas nunca nem procurei saber direito o que era. No caminho, a pé, Antônia foi me dando as informações básicas: É uma ONG que surgiu de um projeto social da igreja, que está inserida num dos bairros mais... digamos... menos nobres da cidade. A ONG trabalha com crianças em situação de risco, buscando atender indiretamente às suas famílias. Entre os trabalhos que oferecem, arte com Carol e... advivinharam? Querem fazer música!

Olha a turminha aqui, com Deíze.

Resumindo a história... me convidaram pra trabalhar como voluntária com elas, usando a música para trabalhar a auto-estima, mostrar às crianças o valor que possuem para Deus e mostrar o amor de Deus através do nosso amor por elas. Como resistir a essa proposta e a essas carinhas???? Quem está mais perto de mim sabe... estou meio que brigada com a *música feita por minhas mãos*. Ultimamente só *música de ouvir* e *música de cantar na igreja*. Nada de *música de ensinar* nem *música de trabalhar*. E minha frase estava sendo: "a música foi um rio que passou em minha vida". Curto e grosso. Ou melhor, fundo e caudaloso... mas passou.

Achei estranha a maneira como tudo aconteceu. Nem sei explicar... mas o fato é que não houve a repulsa (o termo é forte, mas era exatamente isso que havia a cada vez que alguém tocava no assunto de me fazer voltar a mexer com *ela*.) nem a resistência de sempre. Como na semana passada, quando Kira me convidou pra reger, e eu não tive nem tempo de rejeitar, e me vi diante daquele auditório imenso, sentindo o poder de controlar mais de mil vozes com minhas mãos... num accelerando ou rittardando previamente combinado com os instrumentistas... ou não. Foi uma experiência interessante, essa... como voltar a andar de bicicleta após anos sem tentar... mesmo sabendo que nunca se esquece... mas sempre dá aquele friozinho na barriga. Enfim... parece que a música e eu estamos fazendo as pazes devagar. Devagar? Ai meu Deus, é um compromisso forte, esse... São cerca de 50 crianças (e sei que quando começar vão chegar mais...) com uma apresentação já agendada pro final de novembro... é, é pegar no pesado sem pena.

Desculpem aí, pessoas, o post ficou imenso *dinovo, dinovo*. E já amanheceu... Logo de manha... Bom dia! (Só sei que eu acordo e gosto da vida, os dias não são nunca iguais!)

E tem novidade grande chegando por aí... mas por enquanto é surpresa!!! (Quem sabe, please, quiet!)

Quase que UPDATE, porque não tinha publicado ainda!:
Como é que eu consigo esquecer ISSO?????!!!!!
Quem leu esse post no tempo certo, e esse também tava sabendo o que aconteceu com minhas câmeras digitais. Bem, agora é rápido, porque o sol já vai alto no céu e eu ainda quero voltar pra cama... A Canon mandou uma câmera A410 no lugar da minha A310 que teve problema no LCD e pifou sem mais nem menos! Chegou às minhas mãos no sábado à noite , através de Ilka e Lívia. TKS às duas por tudo!!! Segundo Carlos, foi um parto, porque foram exatos nove meses de quando mandei a menina pra assistência técnica!!! Olha a criança aí:

Nenhum comentário: