15.7.06

Logo de manhã... BOM DIA!!!

Um dia quero mudar tudo, No outro eu morro de rir,
Um dia tô cheia de vida, No outro não sei onde ir,
Um dia escapo por pouco, no outro não sei se vou me livrar,
Um dia esqueço de tudo, no outro não posso deixar de lembrar,
Um dia você me maltrata, no outro me faz muito bem,
Um dia eu digo a verdade, no outro não engano ninguém,
Um dia parece que tudo tem tudo prá ser o que eu sempre sonhei,
No outro dá tudo errado e acabo perdendo o que já ganhei ...
Um dia eu sou diferente, no outro sou bem comportada,
Um dia eu durmo até tarde, no outro eu acordo cansada,
Um dia te beijo gostoso, no outro nem vem que eu quero respirar,
Um dia quero mudar tudo no mundo, no outro eu vou devagar
Um dia penso no futuro, no outro eu deixo prá lá,
Um dia eu acho a saída, no outro eu fico no ar
Um dia na vida da gente,
Um dia sem nada de mais...
Só sei que eu acordo e gosto da vida!!!
Os dias não são nunca iguais!
Logo de manhã... BOM DIA!!!
(Paulo Feire & Swami, na voz de Zizi Possi)

Nas horas em que me pego colocando trilha sonora em minha vida (e é quase sempre) muitas vezes - e sei que virão outras tantas - me surpreendo com a propriedade com que foram escritas. E retomo Milton quando dizia "certas canções que ouço cabem tão dentro de mim, que perguntar carece: 'como não fui eu que fiz?'" Cada frase deste "bom dia" me diz muito! Diz tanto que vou deixar só elas por aqui, nem consegui dizer mais que elas. É só ir devagar, mastigando cada frase. E... logo de manhã... BOM DIA!

Pra completar... "viver, amar, valeu!"

Quando a atitude de viver
É uma extensão do coração
É muito mais que um prazer
É toda carga da emoção
Que era o encontro com o sonho
Que só pintava no horizonte
E, de repente, diz presente
Sorri e beija a nossa fronte
E abraça e arrebenta a gente
É bom dizer viver, valeu
Ah! já não é nem mais alegria
Já não é nem felicidade
É tudo aquilo num sol riso
É tudo aquilo que é preciso
É tudo aquilo paraíso
Não há palavra que explique
É só dizer viver, valeu

Ah! eu me ofereço esse momento
Que não tem paga e nem tem preço
Essa magia eu reconheço
Aqui está a minha sorte
Me descobrir tão fraco e forte
Me descobrir tão sal e doce
E o que era amargo acabou-se
É bom dizer viver, valeu
É bom dizer amar, valeu.
Amar, valeu.

(Gonzaguinha, também na voz de Zizi)

Nenhum comentário: