16.8.06

Calm again - com Update

Depois da noite de segunda... a terça foi de calmaria, tinha que ser.

Passei a manhã aqui em casa, curtindo um sonzinho (adivinhem qual...) colocando a correspondência e a postagem em dia. à tarde aí com Keu, fui ao correio colocar uma certa encomenda pra uma certa garota, que teria uma certa surpresa quando o carteiro chegasse... mas não consegui segurar!

Essa tarde teve uma pontinha triste. Fui visitar minha tia, que está em coma, numa UTI doméstica. Sensação de angústia e impotência. Ver o estado dela... e dos que a cercam. Ver o peso pra ela... e pros que cuidam. Ver a situação financeira encrespar... e pensar: como pode continuar, nesse pé? Chorei. Chorei de verdade quando encostei na cama, e falei pra ela sem saber se ela ouvia, sem saber o que se passava de verdade dali... Chorei por dentro quando abracei Leny que desabou e desabafou quando eu saí do quarto. Chorei por dentro ao ver Keu desejando se defender, mas sabendo que a barra que Leny aguenta é pior. Chorei por dentro só de pensar que se fosse comigo (e quando for) não terei com quem dividir a carga. Chorei por dentro porque não consegui chorar por fora. Choeri por dentro porque lembrei o quanto reclamo da vida... e vi que de verdade, não tenho problemas.

Mas a sensação de impotência reside apenas no que diz respeito à saúde dela. Eu posso, sim, fazer alguma coisa. Posso dizer aos meus tios, irmãos dela, que precisam ajudar a levar a carga, pelo menos financeiramente. E que precisam se chegar, de corpo, também. Leny passa 24 h do dia ligada na situação da mãe... não sei mesmo até onde ela vai aguentar. Isso se o casamento não for pelo ralo antes... porque homem nenhum vai aguentar uma mulher que vive em função da vida de outra pessoa, ainda que seja a própria mãe. Ela levanta de 2 em 2h durante a noite, pra mudar minha tia de posição, pra não fazer escaras. Meses sem dormir uma noite inteira... e ainda que tenha um auxiliar de enfermagem durante as 24h do dia, ela não confia que outra pessoa cuide da mãe.

Eu não quero envelhecer tanto a ponto de ficar assim... Deus, não permita isso...

À tardinha, quando pensei que ia descansar, Marta me ligou com a boa notícia: "Vou pro Rio também!!!" Ela tem um trabalho pra apresentar num congresso, mas não estava conseguindo liberação do trabalho e da verba para ir, e saiu só ontem. Bom, muito bom, mas... tem que arrumar um poster pra a apresentação do trabalho. E aí... a priminha aqui foi ajudar, diagramando no corel. Mas como Murphy é meu amigo de infância... quando ela me buscou aqui, e chegamos em casa... PC pifado!!! Resultado: nada pra fazer à noite.

Enfim... tudo bem, depois de uma noite com o Roupa Nova, dava pra ficar em casa, morgando. Sugestões: DVD! Uma DVDoteca massa, entre os de Ramon e os de Marta. Ó, dúvida cruel... mas... resolvemos ficar nós duas na companhia de Chico, vendo aqueles olhos... no DVD "À Flor da Pele", o universo feminino nas músicas dele.

Precisa dizer que a noite foi maravilhosa??? kkkkkkkkkkk Sei que não precisa, mas vou falar um pouquinho do DVD. (Recebi um pedido hj, que escrevesse posts mais curtos. Sinto muito... é do meu jeito. E eu falo demais, então... posts longos e pronto.)

Gravado em Paris... (ah, eu e chico em Paris, sem nenhum fotógrafo pra fiscalizar!!!) Perguntado sobre o enterder da alma feminina, ele diz: "eu não entendo... sou só um voayer, um 'vedor'... nada melhor que observar a mulher. Eu não gosto de ser visto, gosto de ver." Ah, se ele não entende, quem é que entende????

Chico e Caetano cantando "Tatuagem" e "Esse Cara" (coincidência, hein, Fá?) foi de matar. E ver Chico em várias fases, novinho, de cara lisa, ou só de bigode, ou grisalho... e os olhos... meu Deus!!! E a briga com Marta: "minha paixão é mais antiga, que eu sou mais velha que você!" (ela disse). E ele: "Não sou um cafajeste, elas me consideram tímido." "As minhas mulheres são todas inventadas, não fiz música pra ninguém". Será???

Quando ele cantou "Teresinha", lembrei que nessa música foi a primeira vez que ouvi a palavra "posseiro". E Suze e Djane, que ouviam comigo, também não sabiam o que significava. Fomos ao dicionário! Acho que eu tinha uns 12 anos...

Bem, assistimos o DVD e tooodos os extras. E fui dormir com "Carioca" no disc man. Nem preciso dizer que dormi beeem demais!!!

Hoje fiquei no pc do trabalho de Marta a manhã inteira fazendo o post, pelo menos consegui terminar. E à tarde, comprinhas básicas... que ninguém é de ferro.

Agora o dono do PC quer usar. E o post longo escapou de ser ainda mais longo!

Nenhum comentário: