8.10.06

Surpresa...

Tudo certo, tudo pronto. Já estava combinado com o irmãozinho: vamos fazer uns cartazes, faixas pra esperar Line e Jady. Line chegaria às 18:30 e Jady às 23:45. Saímos pra almoçar e encontrar com meus pais no restaurante. Chegamos antes deles, e começamos a comer (acordamos tarde e não tínhamos tomado café da manhã). Daí a pouco entram tia Suzana e tio Cláudio, sentaram numa mesa próxima à nossa. De repente, tia Suzana faz uma cara de espanto, virada para a porta. E eu vejo a minha menina entrar, com os avós! Fiquei atordoada, sem saber o que fazer...

Mas não tinha sido eu a comprar as passagens? Eu não sabia o horário??? Ela trocou o vôo? O que aconteceu?

Depois dos abraços, a explicação: A DDA se confundiu nos horários... o vôo chegava às 12:30h, o das 18:30 era o de volta. E quando a menina percebeu que a mãe estava certa do horário errado, combinou com os avós fazer a surpresa! E que surpresa!!!

Tá certo que não fui recebê-la no aeroporto, que não fiz as faixas de boas vindas, que não escrevi "LINE GILMORE" na "plaquinha" de espera no desembarque... Mas foi bom demaaaaais!!!

E passamos a tarde numa operação redesign da sala... trocando a mesa do PC (que na verdade era uma estante), e jogando fora um monte de porcarias... e o pc decidiu não funcionar... e tive que chamar um técnico e morrer em 20 dinheiros... só porque a "alma de designer" quis agir! Haja trabalho... Limpa poeira, esfrega parede, varre, espana, fabrica lixo... (e como tem papel que não presta pra nada nesta casa!) Ufa!!!



Nós duas no restaurante - Foto feita com a câmera nova de Jady

Fiquei mesmo muito feliz de ter minha filha em meus braços. Sei que esse tipo de emoção é única. E só é verdadeiramente percebida por quem já passou por algo igual.

Hoje documentei a mesma emoção de Joélia, ao entrar com Ivy na igreja. Ivy nasceu há exatos 22 dias, e 4 dias após o parto, a mãe foi internada na UTI após uma convulsão, e com uma dor de cabeça insuportável. Mais de uma semana e sem ver o bebê, que ficou com a avó e a tia, junto com o pai, que se desdobrava entre a casa e o hospital. Mais alguns dias esperando uma cirurgia para retirar um tumor no cérebro... Que angústia! O tempo foi passando, a igreja orando, e o Senhor agindo. Alguns dias depois e na véspera da data marcada para a cirurgia, um novo diagnóstico: Não era um tumor, era um coágulo, que poderia ser tratado sem necessidade da cirurgia! E depois de 15 dias, Jó pode segurar sua princesa em seus braços! Hoje, pudemos, nós duas, agradecer a Deus a bênção igual, e deliciosa!


Me sinto um pouco avó de Ivy, porque me sinto um pouco mãe de Joélia. Ela foi minha aluna há uns 10 ou 12 anos... cantava no coral da rede municipal de ensino, que eu regia. E por muitas vezes funcionou como babá de Line e Kiko enquanto eu ensaiava outros corais, à noite. Era uma filha pouco mais nova que eu, mas sempre me senti responsável por ela... e tive a alegria de entregar o diploma na sua formatura do curso de Magistério. Fui eu que a levei à igreja pela primeira vez, naquela época... e ver hoje apresentando seu bebê ao Senhor, que alegria me deu!

Foi muita emoção, pra um dia só, e ainda vem mais. Daqui a pouquinho estou saindo pro aeroporto pra buscar a preá! E a impressora resolve dar chabú e não me deixar fazer a gracinha que eu queria. Hmpf. Tô indo. Mas eu volto.

Nenhum comentário: