10.11.06

Pequeno roteiro de uma tarde difícil

CENA 1
XEROX DA UESC / INTERNA / DIA


Foco no relógio da parede: 13:30h. Ela está sentada no pc destinado à impressão, e tenta imprimir as transparências para a apresentação do seminário, e a impressora engole a transparência e não imprime nada. Reinicia o pc, tenta de novo... Foco no relógio:13:45h.


CENA 2
SALA DE AULA / INTERNA / DIA


A colega chega com o retroprojetor, a sala está quase vazia, afinal de contas, quem se interessa em ouvir sobre a Pesquisa Bibliográfica e o Método Biográfico na pesquisa em Comunicação???

Mas a professora está lá, e manda começçar a apresentação. O colega, último integrante do trio, chega exatamente na hora em que ela inicia sua apresentação. Apresenta tranquila, segura, sabe que se deu bem.


ELA: (Finalizando) Alguém tem alguma pergunta?


Silêncio geral.


PROFESSORA: A pergunta que eu tinha, que era como aplicar o método à pesquisa em Comunicação você acabou de responder.


Ela sorri, satisfeita. Vai sair sem assistir a apresentação dos coleguinhas porque vai correr pra levar a filha ao aeroporto. Antes de sair, recebe da professora a prova da semana anterior: 9,0. Três folhas manuscritas de ambos os lados, sem um único erro de grafia e com a observação no final: "Texto muito bem estruturado". Ela se pergunta: "Então, por que não foi Dez?" Mas reconhece que tem mais é que agradecer a Deus e correr.


CENA 3
CENTRO DA CIDADE / EXTERNA / DIA



O sol abre tímido, depois de uma manhã de temporal e um início de tarde ainda chuvoso. Ela e a Filha correm ao supermercado pra comprar as bobagens que sempre faltam antes de uma viagem: shampoo, escova de dentes, canetas, régua e esquadro na livraria. ("Sempre se compra" régua e esquadro antes de uma viagem??? Não. Só quando a Filha vai para um Congresso de Estudantes de Design e esquece que havia no e-mail de instruções o "kit acadêmico": estilete, lápis não-sei-que-número, régua e esquadro.)


Passam no banco, Ela tira dinheiro pra que a Filha não fique lisa e sozinha na Cidade Grande".

As duas compram lanche na Biboca, coca de vidro no quiosque do calçadão e sentam na pracinha recém-construída do lado do prédio reformado dos Correios. O relógio marca 15:35h, mas está tudo pronto, dá pra chegar em casa, pegar a mala e o irmãozinho e partir para o aeroporto. Elas aproveitam os últimos momentos juntas, como se pudessem controlar o tempo.


CENA 4
SALA DE CASA / INTERNA / DIA


As duas procuram em todas as bolsas a carteira de estudante da filha, que inexplicavelmente "sumiu". É óbvio que não encontram. No dia seguinte, talvez, quem sabe, a carteira mágica aparecerá bem onde deveria mesmo estar... 16h no relógio digital em cima do balcão da cozinha. O vôo sai às 17h, já deveriam estar no aeroporto. A Avó resolve ir junto, e ainda vai trocar de roupa.

CENA 5
FRENTE DA CASA / EXTERNA / DIA

As duas entram no carro, junto com o Irmãozinho que coloca a mala imensa no porta-malas e esperam a Avó em intermináveis 5 minutos que parecem 5 horas.


O Avô chega da rua, com uma sacola plástica na mão, e vai junto, querendo antes guardar a sacola na geladeira... era peixe para o almoço do dia seguinte. Finalmente Ela liga o carro e saem.


CENA 6
CARRO / EXTERNA / DIA


(Atravessando a Ponte Lomanto Júnior, em direção ao Pontal)

FILHA: (Desesperada) Aaaahhhh, não!!! Eu vim de chinelo!!!

ELA: Ah, tem problema, não, abre a mala e pega a sandália.

FILHA: Mas é que eu deixei a sandália em casa... ia trocar quando fosse sair e esqueci!...

ELA: Não dá pra voltar... Só se te deixar fazendo check in e tentar voltar pra pegar.

Para o carro, a família toda desce e ela volta com o Avô, pra completar a "Missão Impossível".

FILHA: (Com cara de chôro) Mas volte, viu?...

Ela corre, encontra todos os semáforos vermelhos, dois caminhões carregados não-sabe-de-que atrasando a vida.

CENA 7
CASA / INTERNA / DIA

Ela sobe correndo com a sacola de peixe que coloca no freezer, lava as mãos, cheira, fica com vontade de fazer xixi, faz, lava as mãos de novo, desce correndo.

CENA 8
CARRO / EXTERNA / DIA

Ela corre mais ainda, os semáforos agora estão verdes. Faz em 8 minutos o percurso que fez em 15 na vinda.

CENA 9
SAGUÃO DO AEROPORTO / INTERNA / DIA

O relógio de parede marca 16:55h. O monitor com as informações dos vôos mostra: Partidas: Vôo 1776 Gol Confirmado: 17:29.

Ela chega com a sandália da Filha na mão.

Encontra a Filha ainda na fila do check in, sentada na mala e as duas riem da situação que agora já se resolveu.

O peso da mala excede em 2 Kg o permitido.

FUNCIONÁRIO DA GOL: A sra. vai pagar uma taxa pelo excesso de peso...

ELA: Aaahhh, não... mês passado eu viajei sem bagagem nenhuma, só com uma mochila na mão... Libera aí, vai...

FUNCIONÁRIO DA GOL: (Provavelmente desnorteado com a justificativa para o pedido dessa louca) Está bem... sem problema.

A Filha olha para Ela com cara de "não acredito que você disse isso"... Mas no fundo sabe que Ela não tinha dinheiro MESMO para pagar a tal taxa. E deve star se sentindo bem culpada pelos 5 Kg a mais que está levando. A pergunta que não quer calar é: "O que entrou a mais nessa mala?" Ela pensa: "Quando chegar em casa vou verificar meus sapatos e minhas blusas de dormir..."

A família senta pra esperar a chamada para o vôo, não sem antes tirar mais uma foto das três gerações Gilmore. Afinal de contas, vai demorar pra Emily, Lorelai e Rory estarem juntas novamente...


Mais algumas risadas, uns apertos "tipo Felícia", e chega a hora.

A agonia da sandália teve um lado positivo: Não deu tempo de chorar. Nem Ela, nem a Filha, nem os Avós, nem o Irmãozinho derramaram uma lágrima. Bom, o irmãozinho ninguém esperava que chorasse mesmo.

O sol se punha ali, bem pertinho... Ela planejou ir "lá", fazer as fotos do por-do-sol mais bonito que aconteceu em todos esses dias que a Filha passou em casa. Deu errado. Precisava correr para deixar os Avós no ponto de ônibus para Olivença. "É", Ela pensou, "Murphy não é só meu amigo... ele me ama!"

CENA 10
CASA / INTERNA / NOITE

Ela e o Irmãozinho entram em casa. Ela sente que está faltando "algo" e sabe o que é. Não pode fazer nada a respeito. O telefone toca. É a Amiga chamando pra ir ao cinema. Claro que ela aceita. "A Casa do Lago", filme que a Filha desejou ver, mas provavelmente só verá em DVD, pois entrou em cartaz na Cidade Pequena hoje, e já não está mais na Cidade Grande.

A noite termina com Ela sentada diante do computador, depois de voltar do cinema, (ela adorou o filme meloso) tentando traduzir em palavras tudo que vai no coração. Sem lágrimas. Pelo menos por fora. Talvez por dentro também. Ela sabe que em 5 dias vai encontrar a Filha lá, na Cidade Grande, e vão passar 5 dias juntas, sem planos ou preocupações, e mesmo que seja pra ficar em casa, vai ser bom. Muito bom. E Ela sorri só de pensar nisso.

Desliga o computador e vai dormir, sabendo que no dia seguinte não vai precisar acordar cedo, todos os compromissos estão cumpridos, pode descansar bastante, se fizer sol ir andar na praia, só não pode esquecer que vai fotografar a festa de Bodas de Prata da Outra Amiga.

Nenhum comentário: