22.12.06

Eu sou Papai Noel

Está virando praxe... nada é como planejado!!!

O "passeio de turista" programado pra hoje foi trocado pela experiência de ir à agência central dos Correios e escolher cartinhas enviadas pra o Bom Velhinho, e tentar realizar os sonhos de crianças (e adultos) que têm menos do que eu.

Tantas cartinhas... não dava pra saber se quem escreveu estava pedindo ao Papai Noel mesmo, acreditando que ele existe, ou se sabia da campanha e escreveu pra ver se alguma alma caridosa atendia ao seus desejos.

Na verdade, eu nunca acreditei em Papai Noel, ou no Coelhinho da Páscoa e afins, nunca estimulei meus filhos a se ligarem nisso; não sei, portanto se é possível haver ainda um grau tal de inocência que permita acreditar assim... no fundo, eu até desejo que se acredite, pelo menos pra alimentar um sonho...

Começamos a ler algumas cartinhas, mas não dava pra ler tudo, ainda bem que o pessoal dos Correios teve a feliz idéia de ler antes as cartas, e destacar com marca-texto os pedidos. Tinha de tudo: cesta básica, roupas, sapatos, brinquedos... mas a grande campeã foi a bicicleta.

Doeu ler aquelas cartas, onde crianças pediam coisas simples, adultos pediam colchões, camas, roupinhas para os filhos... e doeu de outro jeito ler pedidos de Play Station, Computadores, roupas de Rebelde, e o bendito lap top da Xuxa (eu nem sabia que existia isso, mas a julgar pela quantidade... o marketing da loira tá funcionando que é uma beleza!).

Tá, eu não comprei presente pra NINGUÉM, ainda não mandei cartão algum (estou ficando com vontade, resta saber se vou conseguir, daqui até domingo), sem grana mesmo até pra colaborar com o projeto de Verus, mas hoje amoleci. Peguei a carta de uma mulher, mãe de um menino de 2 anos e uma menina de 7, moradora do Nordeste de Amaralina. Ela pedia um colchão de solteiro, e lençóis, pois dos 3 que tem, 2 estão rasgados. E, se possível, brinquedos e roupas para os filhos. Tá, eu não comprei brinquedos nem roupas para os meus, mas... eles têm de sobra. E respondi a cartinha com carinho, desejando que aquela mulher se sentisse amada por Deus através do meu amor. Um colchonete, dois lençóis, uma bola e uma boneca fizeram o meu pacote de Papai Noel. Provavelmente nunca verei essa mulher nem suas crianças, mas imagino que o coração dela se alegre com o pouco que pude fazer.

E pra não dizer que sou uma mãe desnaturada, passei no Bradesco e transferi pros filhotes um pouquinho do que tinha lá... com o coração partido de saudade daquelas duas criaturinhas que eu amo tanto!!! É, mãe é bicho besta meeesmo!!!

Confiram aí as fotos da experiência de Papai Noel!!!


Nenhum comentário: