26.1.07

Culto de Formatura

Ontem foi o culto de formatura da turma de Comunicação Social da UESC - 2006.2. (Daqui a dois semestres serei eu a curtir esses momentos!) Não tenho muita ligação com essa turma, na verdade, apenas com Mila, uma das meninas; mas fui convidada, prometi que ia... e fui. "Culto Ecumênico" significa que as religiões representadas na turma estaram, juntas, celebrando a vitória da conclusão do curso. Geralmente nessas ocasiões, por aqui, um padre, um pastor e um representante espírita são convidados, e a programação fica um misto de todas elas. (A propósito, nunca vi um representande de cultos afro...)

Ontem foi diferente. Foram só dois pastores, um adventista e um batista (que não foi apresentado como pastor, na verdade acho que deve ser seminarista). Não teve padre nem espírita. Não vou entrar no mérito da questão, pois creio que os representantes das religiões são convidados de acordo com a vontade dos formandos. Mas penso da seguinte forma: Você vai falar num CULTO de formatura? Fale sobre o que lhe compete. É padre, é pastor? Fale da Palavra de Deus. Não queira contextualizar falando nos termos técnicos da área em que estão sendo graduados, pois pode cair no ridículo de falar bobagem, ou no mínimo, "chover no molhado". Foi o que aconteceu ontem. Teve momentos em que eu desejei me esconder, me encolhi todinha na cadeira.

Não sei quantas evangélicas fazem parte da turma de formandos, mas devem ser maioria. O programa esbanjou em música, de boa qualidade. (Adventistas normalmente são muito cuidadosos com isso.) Solos, duetos, quartetos... tudo de muito bom gosto. Depois da palavra dos pastores, convidaram uma mãe pra falar, em nome de todos os pais. E essa lavou minha alma. Não se imiscuiu nas questões da comunicação... estava ali como "mãe", falou como "mãe": com o coração. E muito mais solta e desenvolta do que os dois representantes eclesiásticos. Comparou as meninas (eram 11 meninas e 2 meninos, mas esses não foram) a frágeis barquinhos de papel, quando foram levadas à pre-escola... e foram se tornando mais fortes e se tornando botes, barcos a vela... e naquele momento a Universidade estava lançando ao mar navios prontos para ganhar o mundo. "...tanto mar, tanto mar... sei também que é preciso, pá, navegar, navegar..." (ela cantou). E cantou ainda "...por isso cuidado meu bem há perigos na esquina..." e concluiu dizendo que estariam ali, como um porto seguro, pra ancorar depois de uma tormenta, pra reabastecer, ou simplesmente pra descansarem seus navios. E que voltar pra casa nunca deve ser encarado como fracasso nem fraqueza. Disse mais um tanto de coisas, que me fizeram ficar com os olhos cheios de lágrimas e toda arrepiada. Valeu, Sandra! Fez o que tinha que fazer. Se mostrou a MÃE que se realiza com um momento desse na vida da filha, e sem esconder os temores de ver um novo tempo se descortinando à sua frente.

Depois disso, Aracelly falou pela turma, aos pais. Isto é, falou e chorou. (Uma fala digna de uma comunicóloga, vou pedir o texto completo pra mim...) Ainda teve a palavra de Karina, falando em nome delas, pra elas mesmas. Lembrando dos que ficaram pra trás e não se formaram junto... comentando as peculiaridades de cada um... e mostrando um clip com fotos desde o 1° Semestre... umas tocantes, outras toscas... pra rir e pra chorar. Fotos de professores que passaram e se foram... de momentos importantes e engraçados... enquanto Cássia Eller cantava "Por Enquanto".

Gostei. Mas hoje tem mais, é a colação de grau. E formatura de CS promete... Dá pra imaginar formandas entrarem com a filmadora na mão? E várias passarem o tempo inteiro fotografando??? É, esse povo é doido mesmo!!!

Um comentário:

pAm disse...

Olá, achei muito linda a mensagem que a mãe falou aos formandos e gostaria, caso você saiba, de acessar os textos falados no culto de formatura, o meu será no fim do mês e estou a procura de bons. Aguardo.