16.1.07

Troféu "Pipoca Mofada" de ouro

Vi em vários blogs por aí, no finalzinho do ano, listas de melhores e piores em várias categorias. Música, filmes, homens e mulheres... enfim, sempre tem alguém querendo classificar algo. E eu "virei o ano" sem fazer lista nenhuma. Mas hoje... depois que voltei do cinema, não resisti. Absoluta e absurdamente indignada, divulgo aqui os vencedores do trofeu Pipoca Mofada de Ouro

Assisti "O Ilusionista", e automaticamente ele encabeçou minha lista de "piores". Que filme mais tosco!!! A história é legal, meio água-com-açúcar, mas suportável. O que não dá pra aguentar é a falta de "amarração" de algumas coisas. A caricatura do Príncipe-herdeiro Leopoldo (da Áustria) é irritante... mas ruim mesmo é a cara de pateta do Inspetor quando "descobre" o que aconteceu, no final... e aí a gente fica se perguntando: "Eu sou tão idiota assim?" Porque até dá pra explicar que Eisenheim forje a morte de Sophie, masss... daí a evaporar no ar em pleno palco, diante de todos e com o próprio inspetor à sua frente... faça-me o favor! Os truques - que são colocados como ilusão mesmo - não são explicados nem deixados subentendidos, como são em "O Grande Truque", onde dá pra se entender perfeitamente tuuudo que acontece, absolutamente verossímil.

Estudando roteiros de ficção, a gente aprende que mesmo num filme de ficção científica ou num desenho animado há que existir coerência, uma verossimilhança com o "possível", dentro de cada situação . Por exemplo, no universo ficcional de Superman - o retorno, é possível que ele voe, ninguém acha estranho isso. Mas daí a aceitar todas as baboseiras que o enredo traz... é dureza. Ele não pode chegar perto de Kriptonita, mas carrega toda uma ilha feita exclusivamente dessa pedra! Ah, vamos pensar um pouquinho, antes de fazer uma superprodução dessa!! Pelo mesmo motivo, leva o Pipoca Mofada, o terrível "Poseidon"

Então, na lista dos piores, além de O Ilusionista e Superman - o retorno está, sem sombra de dúvida "O Sacrifício", no original The wicker man (o homem de palha, ou o espantalho). Esse é o filme depois do qual você se pergunta: Hã? Acabou? O que era sonho e o que era realidade? E por que...? E como...? E...? Quem vai devolver o tempo que eu perdi assistindo isso???

Ah, e os bahianos que me perdoem, eu amo minha terra, mas assistir "Cidade Baixa" é castigo. Pra que tanta baixaria??? E olha que eu gosto de Lázaro Ramos e Wagner Moura. Enfim... idéia 7, realização 2.

Juntando a esses, mando "Orgulho e Preconceito", que foi uma tremenda decepção. Primeiro por ser um romance absurdamente citado em vários outros filmes, daqueles tidos como "o meu preferido"... aí quando você vai assistir o filme... sim, e daí? E ainda dizem que Bridget Jones é uma "releitura" de "Orgulho e Preconceito". Tá, então. Prefiro mil vezes a releitura. Depois, porque não tem absolutamente nada de orgulho na história. Preconceito se acha, mas orgulho... cadê? E um final insosso, tão insosso quanto o filme inteiro.

E não necessariamente no cinema, mas na HBO, assiti o famigerado "Amor em Disputa". A história de uma adolescente compositora de músicas ecologicamente corretas, que se apaixona por um empresário da construção civil que é totalmente o oposto dela. Sim, mas continue a história. É só a menina cantando umas 3 músicas (sempre as mesmas) com um ar de hiponga, e achando que algo vai acontecer? Eu mereço um pouco mais do que isso!!!

Nos próximos posts, sairão os melhores e as frustrações - os que desejei mas não assisti. A propósito, o troféu é referente a 2006, mesmo que o filme seja anterior, vale o ano em que assisti! Afinal de contas eu sou todo o júri dessa bagaça!!!

Nenhum comentário: