13.6.07

O filme que eu não vi

Era Caixa Dois, o filme nacional que eu desejei ver. Mas de novo... Sem público suficiente pra uma sessão de cinema. Isso existe em outro lugar, que não seja Ilhéus??? Aaaahhhh, deu vontade de fazer um escândalo, mas eu sou uma mocinha educada e só tentei convencer o bilheteiro a exibir o filme pra 4 pessoas. Nem preciso dizer que não consegui, né?

O filme é baseado em uma peça de Juca de Oliveira, que ficou mais de 6 anos em cartaz, com um público superior a 1 milhão de pessoas. O filme, de Bruno Barrteto, parece ser muito bem feito, pelo trailler. Mas aqui, na minha ilha, em dia de promoção, quando o ingresso custa 5,00 a inteira e 2,50 a meia, na sessão das 17h só 2 pessoas estavam lá pra assistir (eu e o filhote) e na sessão das 20, dupla frustração, só mais 2 pessoas. Isso não existe, eu tenho certeza. E na sala ao lado, Piratas do Caribe na 3a semana, e "bombando".

Só estou postando sobre isso, porque prometi ao Ricardo e à Cláudia que iria fazer a resenha do filme. Então, estou me justificando. Na verdade, eu queria mesmo era dizer que fui ao cinema pra comemorar a entrega - e o "OK" recebido - do meu Referencial Teórico, hoje! Agora é continuar o processo: Metodologia. Mas aí é bem mais fácil, já tinha até começado, quando recebi o link de um blog que está "ressuscitando", e fui ajudar Nina a arrumar o layout de Palavras ao vento. Cabou que a metodologia ficou pra amanhã. Mas vou fazer amanhã, sim, nem adianta me desestimular. Tenho que fazer esse treco andar e não encalhar de novo.


Nenhum comentário: