15.8.07

Ainda bem...


Slideshow roubado daqui

"Ainda bem que você vive comigo...
porque, senão, como seria essa vida?

Sei lá... sei lá...

(...)
Se há dores, tudo fica mais fácil...
(...)
Neste mundo de tantos anos,
entre tantos outros, que sorte a nossa, hein?"

Quem quiser que pense o que quiser, que sinta o ciúme que quiser sentir... a gente sabe o tamanho do sapato, e mais do que isso, o tamanho do amor, né, preá???

Não vou falar de passado, mesmo porque já falei, já falamos... mas vou falar de presente. Dessa amiga que está presente no meu dia, desde que ele começa, via msn, orkut, e-mail, sms... sem ser pegajosa mas estando sempre ali, ao alcance do mouse e do coração.

Aquela AMIGA por quem a gente se sente amado, e isso é raro. Assim como é raro saber que a gente pode contar com um apoio irrestrito, mesmo que discordante. Jady é assim.

Reparte comigo as agonias e os problemas, da mesma forma que reparte as conquistas e as novidades. O passo-a-passo dos artesanatos, da dobradura de calcinha, de arrumação de gavetas, até da decoração da casa alheia... pede opinião sobre as logomarcas que ela cria e os layouts de websites... mesmo sabendo que minha opinião não é lá essas coisas. Tem a minha torcida pras entrevistas de emprego e provas de concurso, assim como eu tenho a dela nos meus pepinos e apresentações de trabalhos da facul.

Conversamos coisa séria e papo-de-avião... sem vergonha de admitirmos sentimentos que poderiam ser censurados por outras pessoas. Dedicamos tempo uma à outra, mesmo quando o status no msn tá "ocupado" ou como ontem, quando o nick dela estava: "não pergunte, leia: http://jady.blog.br e me deixe!" e o meu, "tô azeda, só me chame se for pra fazer carinho." Amizade é isso. É sentir que nas horas em que as palavras dizem "afaste-se", o coração pede: "vem cá, é agora que preciso de você!". Mas pra isso, a sintonia fina precisa estar ajustada, e isso não acontece com qualquer um.

Preá, mesmo sem tu crer, eu agradeço a Deus por ter te colocado no meu caminho e me colocar no teu. Não pode ser acaso... Que a vida seja bondosa em nos permitir outros encontros ao vivo, porque os tecnológicos (me recuso a chamar de virtuais) a gente não dispensa mesmo, né?

Amo tu, mulher... muito mesmo. E obrigada por existir. Ah, e Nilo, aquele "bicho feio"... já faz parte dos meus dias também, e nem precisa ter ciúme! ;)

Nenhum comentário: