7.9.07

Feriado, desfile e praia

Tudo bem, pode até parecer, mas este não é mais um post diarinho. É um comentário que eu desejava que fosse bem humorado do desfile de 7 de setembro, não sei se vou conseguir.

Acho que eu assisto aos desfiles desde antes de 1 ano de idade, tenho foto no desfile do ano em que eu nasci. Amo. Me emociono, aplaudo, curto de verdade. Mas nunca foi como em 2005, quando assisti o desfile (só militar) na Av. Rio Branco, no Rio. Ih, lá vou eu saindo do assunto. O desfile de 2005 ficou na história, mas a história de hoje é outra.

Acordei cedo demais, depois dormi "só mais um pouquinho", e... perdi a hora. O filhote saiu que nem vi. Todo de branco, pra ganhar 2 pontos em cada disciplina. Pagou (ele mesmo) 25 dinheiros numa calça branca que ele detestou, mas disseram que era "uniforme"... tinha que ser. (Nem foi... teve calça de todo tipo, como dá pra ver aqui e aqui, tão transparente que a menina vestiu um biquine de listras por baixo!)

Fomos pra casa da tia, na "Avenida", assistir de camarote. Família toda reunida, delícia! Mas o assunto mesmo é o desfile. Perdemos a parte que eu mais gosto, os militares. O Tiro de Guerra e o Colégio Militar. Quando chegamos, estava um pedacinho da banda da PM (absurdo!!!) se arrumando para as PFem e os bombeiros. Tudo bem, mas enquanto ainda estavam desfilando os bombeiros, parou um carro de som tocando "música de banda". Dá pra acreditar??? E ficou ali, tocando o tempo todo, enquanto desfilavam as escolas públicas, e o pior: repetindo "a fita".

As escolas se esmeraram nos figurinos, especialmente nas crianças menores, do Ensino Fundamental I. Fadinhas, bailarinas, baianas, palhaços, todo tipo de fantasia. O que isso tem a ver com a Independência da Pátria Amada? Simples! Fantasia = Sonho. Simples, não?

Mas o que não deu mesmo pra engolir foi uma faixa assim: "Escola Tal dá um novo grito: INDEPENDÊNCIA OU EDUCAÇÃO!" A isso, só dava pra responder: MORTE!!! E mais nenhum comentário sobre a independência ou a educação do país.

Gostei de ver foi o colégio mais novo da cidade (acho que é o segundo ou terceiro ano de funcionamento) com uma banda "de respeito". E inclusive com os instrumentos de sopro ensaiados pelo meu primeiro professor de flauta, ainda no século passado. Deu saudade...

Logo depois entrou o colégio do meu filhote, desfilando inteiro, da 1ª série do Fundamental até o 3º do Ensino Médio, enfocando a educação ambiental, e com uniforme comum, só trocando a calça azul pela branca, conforme comentade (e mostrado) acima. Na frente, uma fanfarra super bem ensaiada, mas infelizmente era apenas convidada, de uma cidade vizinha. Vejam os uniformes de gala, aí no slideshow. É claro que eu fiz o guri pagar aquele mico, chegando perto pra fotografar, falando com ele, brincando com os colegas... é, eu sou assim. Tadinhos deles... têm uma mãe completamente surtada. Mas que ama, participa e curte cada momento da vida deles. Acho que isso compensa os micos.

O último colégio realmente causou impacto. Veio fantasiado de RBD. Gravatinha, sainha, lacinho no cabelo... as fotos estão aí pra não me deixarem mentir. E não eram crianças, não. Eram adolescentes, mesmo. Só que as saias estavam de todos os modelos: com pala larga, com cós estreito, comprimentos variando do meio da coxa ao joelho... um verdadeiro "desfile". Tragam meu baldinho de novo... já tomei um comprimido de eucil, pra náusea mas não fez efeito!!!

O desfile terminou com o grito dos excluídos, que dessa vez estava muito bem organizado, com faixas pertinentes, um trio elétrico e um sindicalista falando, em vez de palavras de ordem gritadas a esmo. Só enjoou foi ouvir o tal "hino dos excluídos", um "vai e volta" sem propósito, mas, enfim...

A diversão continuou na praia, mas acho que essa parte eu conto outra hora.



Nenhum comentário: