13.2.08

Pedofilia

Li no blog da Geo sobre a blogagem coletiva sobre pedofilia. É assunto que dói, só de ouvir falar. Não sei quem deu a idéia da blogagem, e não sou muito de atender a esses chamados, porque na maioria das vezes a inspiração não colabora, e eu detesto ter que falar sobre um tema escolhido pelos outros. Deve ser coisa de filha única com rebeldia latente.

E hoje não vai deixar de ser diferente... a rebeldia continua. Porque vou tratar do assunto no estilo comédia. (Já basta na minha prova aberta de inglês, no vestibular, o texto ter sido denso e pesado sobre este assunto!)

Foi assim:

Quando ela nasceu, a paranóia de mãe já bateu forte. Vaca brava, protegendo a cria a todo custo. E a consciência de que precisava ensiná-la a se defender desde cedo, me fez dizer: "Filha, quando qualquer homem quiser tirar a sua roupa e fazer algo que você não queria, dê um chute no saco." Isso quando ela tinha uns 2 aninhos, eu acho.

Repeti por muitas vezes, para garantir a aprendizagem. Um belo dia, ouvi o pai gritar de dor, no banheiro, no maior desespero! Corri pra ver, e ela tinha dado um chute no saco dele. Ele sem entender nada, ouviu a explicação: "Mamãe disse que era pra chutar, se alguém viesse tirar minha roupa." Pequeno detalhe: era hora do banho para dormir, e eu tinha pedido pra que ele me ajudasse, tirando a garotinha do meio dos brinquedos, e trazendo para o banheiro.

Na cabeça dela, "qualquer homem" incluía o pai, "tirar a roupa" não levava em conta que fosse para o banho e "fazer algo que você não queira" incluía parar de brincar e ir dormir. É mole, ou quer mais???

Nenhum comentário: