28.3.08

O Novo Porto de Ilhéus

Nem sei como ainda não falei disso, aqui. Estou tão envolvida nas leituras e discussões sobre o assunto, acompanhando os acontecimentos que vêm se desenrolando como lava de vulcão, que ninguém segura... mas inexplicavelmente não vomitei aqui tudo que está preso na garganta. Acho que é a coisa da linguagem jornalística, que nos releases que mando para os jornais e blogs da região não me permitem dar a MINHA opinião.

Mas aqui, como disse o Inagaki, meu blog é a minha rede globo, minha reuters, minha folha on line. (tudo em minúsculas, porque são minhas). Aqui eu posso ser opinativa, SIM. Posso mandar ver, e quem quiser comentar, fique à vontade. Se passar do limite e sair da linha, eu deleto o comentário, rá!

Então, vamos a ele. Pra quem não é da terra, não conhece o projeto e nunca ouviu falar do assunto, Vou resumir, mas tem esses links aqui, aqui, aqui e aqui com imagens e explicações mais detalhadas.

Seguinte: O projeto é a construção do Porto Sul da Bahia, com área previamente escolhida pelo governo do estado na Ponta da Tulha, em plena Área de Proteção Ambiental (APA) de Serra Grande. "Mas não é simplesmente um porto internacional, mas um grande complexo formado pelo porto, um retro-porto, (área de apoio em terra) o novo aeroporto internacional, conectados a um ferroduto e à Ferrovia Oeste-Leste numa conexão intermodal".


Juro que eu, apaixonada que sou por esta terra, não estou nem aí para os investimentos turísticos que virão a ser prejudicados, com a desapropriação de 1.700 hectares beeeeem no mais lindo do litoral norte de Ilhéus. Sim, eu sei que o turismo é a indústria que mais gera empregos diretos, porque os donos de hotéis e pousadas compram pão na padaria da esquina, fazem feira na cidade, contratam mão-de-obra não especializada, é altamente sustentável e não poluente, blá blá bla whiskas sachet... Não sou contra o turismo, de jeito nenhum.

Mas o que me incomoda mesmo é o impacto ambiental. É a imensa área de mata atlântica, restinho que ainda existe, ser devastada com esse mega empreendimento. É o beneficiamento de minério trazer poeira tóxica, gás de coqueria e contaminar as reservas hídricas. É, além de tudo isso, o minério de ferro ser isento de ICMS, e não render nada em impostos para a região. É olhar do mirante de Serra Grande e em vez de enxergar uma linha linda de praia, ver um monstrengo poluente.

Eu sou contra o projeto. Pelo menos nesse lugar. E no lugar que o presidente da Câmara de Turismo da Costa do Cacau sugeriu hoje lá na rádio, eu também sou. Pra ele, basta chegar mais pra perto da cidade, no Distrito Industrial. Sim, para os tais investimentos turísticos, tudo bem. e para o meio-ambiente? Quem me enganar que agora não tem mais impacto ecológico algum??? Ah, vai catar coquinho no asfalto, que na praia é até gostoso!!!

Só quero ver, como disse um blogueiro anônimo, o Zé do Cipó, "se os ambientalistas vão calar a boca e abaixar a cabeça agora. Será que 20 Km de distância vão fazer tanta diferença assim? Porque Massa se referiu várias vezes ao visual... Ninguém tocou na poeira tóxica e água contaminada..."

É isso. Falei. E podem me crucificar, se quiserem. Mas não vou engolir o que disse uma criatura na reunião onde a sociedade civil se reuniu, a convite do MP e do CREA: "Pra que tanta APA? O Brasil é mato puro!" Agora me digam se dá pra tratar com gente com essa cabeça? (oca - ou cheia de m...)?

Nenhum comentário: