5.6.08

Música no coração

Queria produzir aqui um texto daqueles que um dia vão circular na internet em e-mails ou apresentações em powerpoint com uma assinatura tipo Arnaldo Jabor, Vinícius de Moraes ou Drummond. Mas sei que não vai dar. Não vai dar porque as palavras estão desarrumadas, elas estão dançando no coração mais-do-que-feliz.

As palavras dançam uma música que começou a tocar sem ser anunciada, simplesmente começou. Invadiu o lugar, misturando-se a um perfume de flor, que não era doce, mas exalava delicadeza. E não só as palavras, mas tudo em volta começou a dançar, a se mover no rítmo dessa felicidade que chegou não mais que de repente.

Não é um rock pesado, não é também música erudita. É uma mistura de bossa nova com mpb - romântica, of course. E não tem letra, pois não precisa. Envolve, abraça forte, seguro e em paz. Faz calar o mundo inteiro, minimiza os problemas e as ansiedades, delicia o presente e aponta pro futuro com toda tranquilidade que lhe é peculiar.

Traz um sentimento bom, de pertencer, de dividir, de crescer, de sonhar e saber que não é sonho, e, inexplicavelmente não traz junto aquele medo de acabar. É uma canção sem síncopes, e, tal como uma fuga de Bach, as notas se entrelaçam num fraseado do tamanho certo, na medida certa, no tempo certo. Como se fosse meticulosamente escrita, usando todas as técnicas de estruturação musical, mas no fundo eu sei que ela é assim simplesmente porque tinha que ser.



..."Porque tudo que eu andei procurando
agora eu sei
que andei sabendo que em algum lugar te encontraria
pois você já era meu...
e eu sabia."

Nenhum comentário: