2.11.08

Vazio Off Bienal

Nem sempre a gente está antenado com o mundo cultural, especialmente quando não se para muito tempo diante da TV. Resta a internet, as revistas semanais (que às vezes só são lidas na semana seguinte) e os jornais daqui mesmo. O que é pouco, sempre há tanto mais por saber

Semana passada ouvi falar sobre o andar vazio na Bienal de São Paulo. Ouvi an passant no Bom Dia Brasil, li uma notinha na Folha Ilustrada [O projeto da 28ª Bienal de São Paulo, anunciado oficialmente na última sexta, prevê um andar dedicado a uma espécie de arquivo histórico, com documentos e livros, um andar inteiro vazio e o térreo do pavilhão aberto para performances, exibições de vídeos ou até mesmo festas. A mostra não terá, pela primeira vez em sua história, obras de arte nos moldes tradicionais. Ivo Mesquita foi confirmado como curador da exposição.]  e não me interessei em procurar saber os motivos dessa decisão da curadoria. Até que li o post no Cracatoa, apontando para o site do genial Tom Lisboa.

Depois fui procurar direitinho as explicações (se é que há) para o bendito andar vazio, e não me convenceram. Em cada matéria, uma explicação diferente. Veja aqui, aqui e aqui, só para ter um exemplo.

Mas a parte que mais me deixou pasma foi essa:

"Além do segundo andar vazio, que receberá a performance de Maurício Ianês, artista que vai viver no espaço por duas semanas sem se alimentar e completamente nu, [?????????] a Bienal concentrará no primeiro andar do prédio uma série de apresentações e eventos abertos ao público. Entre as atrações programadas, além das apresentações de abertura do evento, aulas de dança semanais promovidas pelo coreógrafo Ivaldo Bertazzo e até "festas" promovidas pelo coletivo norte-americano assume vivid astro focus, entre os dias 2 e 6 de dezembro."

 

Eu preferi ficar com a proposta de Tom Lisboa:

"VAZIO OFF BIENAL PROPÕE A DISSEMINAÇÃO E A CONVIVÊNCIA COM O VAZIO

A 28ª Bienal de São Paulo não havia completado três dias desde sua abertura e já tinham sido registradas duas tentativas de ocupação não-autorizadas do segundo (e vazio) andar desta mostra. O artista visual Tom Lisboa, no entanto, busca o caminho inverso ao lançar sua convocatória para a primeira VAZIO Off Bienal.

Diferente das ações anteriores, que buscavam preencher o que havia sido "esvaziado" pela curadoria da Bienal, a VAZIO Off Bienal propõe a multiplicação de "espaços vazios" e, ao mesmo tempo, intensificar e problematizar a discussão sobre visibilidade. "O que importa é que este espaço não-expositivo deixou aberta uma lacuna para o público, a crítica e os artistas projetarem seus conceitos sobre aquilo que era não-visto.", afirma Lisboa.

Assim como qualquer "Off Bienal" de obras visuais (tais como fotografia ou pintura), o objetivo da VAZIO Off Bienal  é ampliar o discurso do "vazio" da mostra oficial. A idéia é simples: basta imprimir e construir o "vazio" (existe um "molde do vazio" que pode ser baixado no site da VAZIO Off Bienal), tirar uma foto com este "vazio" e enviar esta imagem para publicação na internet.

A participação é livre, gratuita e os trabalhos fotográficos podem ser enviados, por email, até o dia 5 de dezembro. E como a proposta é expandir o conceito do vazio, as fotos não precisam estar tematicamente relacionadas à Bienal de São Paulo. Afinal de contas, com diz o artista: "O vazio é um tema pessoal e que desconhece fronteiras geográficas".

 

VAZIO OFF BIENAL
Lançamento:
28 de outubro de 2008
Envio das fotos: até 5 de dezembro
(as fotos devem ter no máximo 15x21cm, em 72dpi e serem encaminhadas para o e-mail tomlisboa@terra.com.br)
Fotos e Regulamento para participação no site: www.sinTOMnizado.com.br/vazio "

Não deu outra. Imprimi  o molde e construí o "Vazio" e saí fotografando. Veja aqui algumas das minhas capturas do Vazio. Agora elas  estão expostas no site Vazio Off Bienal.

30-10-08 019 Vazio no Caixa Eletrônico. Deve significar alguma coisa…

Nenhum comentário: