30.1.09

A Bela Adormecida faz 50 anos

Em plena temporada de estréia (no Brasil) do filme O Curioso Caso de Benjamin Button, onde o gatíssimo Brad Pitt nasce com 80 anos e vai se tornando uma criança com o passar do tempo, os estúdios Disney comemoram os 50 anos da Bela Adormecida. (não confundir com a Bela acordada, que fez par com a Fera).

Para quem não conhece, ou não se lembra da história, eu ajudo a recordar.

A história toda começou assim:



A princesa Aurora, filha única e mui desejada por seus pais, reis de um reino tão tão tão distante (não confundir com os pais de Fiona, reis de Tão Tão Distante), em seu batizado, teve como madrinhas as três fadas Fauna, Flora e Primavera, que lhe presentearam com uma grande beleza e uma bela voz para cantar. Antes do terceiro presente, a bruxa Malévola, zangada por não ter sido convidada para madrinha, lança um feitiço sobre Aurora: No dia em que completar 16 anos, picará o dedo numa roca e morrerá. A fada Primavera, ao dar seu presente, só pode aliviar o feitiço de Malévola: em vez de morrer, ela dormiria um sono profundo, até ser despertada com um beijo de amor. Depois de muito bla bla bla [onde Aurora conhece e se apaixona pelo Príncipe do reino vizinho], no dia em que completa 16 anos, pica o dedo numa roca por obra da bruxa, e adormece. As fadas ajudam o príncipe a enfrentar a bruxa, e o seu beijo de amor desperta a princesa. Eles então foram felizes para sempre.

Ficam, porém, alguns detalhes não explicados. [Acho que os irmãos Grimm não gostavam muito de pensar em detalhes...]

A maldição da bruxa no original dos irmãos Grimm era de um sono de CEM anos. Então, quando despertou, tinha permanecido jovem, congelada em seu sono mágico? Ou seria encontrada enrugada e entrevada, com 116 aninhos?

E o Príncipe? Seria um velhinho centenário ao acordar a princesa lindamente jovem ou o príncipe que a despertou não era o mesmo por quem ela se apaixonou aos 16, e ela é que havia envelhecido?

Essas combinações dariam sequências hilárias, bem ao estilo de Shrek. Seria eu capaz de pensar nelas?

Na primeira hipótese, o Príncipe chega em sua cadeira de rodas, empurrado por dois lacaios. Não que ele esteja paralítico, é apenas para economizar forças para mais tarde.

Pede que outros dois lacaios levantem a princesa para que ele a beije, pois a coluna não permite que ele se debruce sobre o ataúde (vixe, parece caixão de defunto!) onde está Aurora. A boca sem dentes se projeta num biquinho trêmulo e o beijo sai assim, como um selinho sem sal e sem gordura, pois faz mal para o colesterol. Os olhos da princesa se abrem e ao se espreguiçar ela enfia a mão na cara do príncipe, que com o susto e a emoção de acordar sua amada tem um AVC fatal. Aurora acorda depois do sono de cem anos e passa de noivinha apaixonada para viúva desconsolada.

Na segunda versão da história, ela envelhece. E apesar de ainda ser uma princesa e despertar a sede de poder (quem casar com ela reinará no reino tão tão tão distante) dos príncipes vizinhos, quem vê aquela velhinha enrugada e entrevada não se anima em beijá-la. Então o sono dura por mais de cem anos, já que a coragem necessária não é apenas para lutar contra a bruxa má, mas também é para beijar a velha.

Passados uns três anos do prazo mínimo para o despertar de Aurora (que a essa altura já era bem o por-do-sol), aparece um príncipe cigano, filho de Esmeralda e do Corcunda de Notre Dame, que se dispõe a beijá-la. Aurora acorda assustada com a feiúra do moço, tenta correr, mas a atrite a impede e a osteoporose provoca uma fratura no fêmur. O príncipe-corcunda não consegue levantá-la do chão, e morre de ciúmes do soldado que a ajuda.

Em ambas as versões, a câmera se afasta da cena, mostrando o sol caindo sobre o castelo.





*************
Explicando...

O start foi a matéria da editoria de Pop & Arte do G1. Eu me perdi sem saber se escrevia um texto saudosista, lembrando dos quadrinhos da minha infância e das fitas VHS dos meus filhotes, ou se fazia uma sátira sobre a idade da Bela Adormecida. Acabei escolhendo a segunda opção... hehehehe

Nenhum comentário: