17.2.09

Ruim até de inventar um título.

Eu juro que não estou no meu normal, no quesito blogueira.

A única coisa que está igual é desejar escrever sobre cada coisa que vejo e acho interessante, seja pelo status de absurda, tosca ou de muito legal. Mas daí não anda. Quem disse que consigo escrever? Aliás, quem disse que cponsigo fazer nada do que gosto e quero? É, decididamente este trabalho aqui está comendo os meus genes criativos. e isso não é bom, não é nada bom.

Quando penso em mim na situação em que estou, somente para ter algo na conta no final do mês... fico feliz de pensar que no início de março começo o mestrado e vou ter que fazer o sacrifício de pedir exoneração.

Não me crucifiquem. Estou trabalhando contratada por REDA (Regime Especial de Direito Administrativo), que dura no máximo um ano e 3 meses. Numa função que não é a minha praia, onde não vou crescer nem aprender nada que me leve a um patamar mais elevado em minha vida profissional. E vou trocar pelo mestrado em Cultura e Turismo, na área de Fotografia e Representações. Bem mais a minha cara, não é? E com grandes perspectivas de crescimento profissional, cultural, acadêmico, técnico... Tudo entendido?

Então estou vivendo as duas últimas semanas assim: Louca pra saber como vai ser minha vida depois do dia 9 de março. Que horas vou ter que acordar? Como vai funcionar minha cabecinha DDA quando tiver que ler e produzir "coisa que preste"? Como vou ter que rebolar para pagar as contas (desempregada de novo)? Que trabalhos vão me aparecer, via Consultic ou no lado da fotografia? Será que tudo isso vai me liberar para escrever ou vou continuar travada, agora por outros motivos?

Além de tudo, tem a questão do meu filhote, que está esperando uma possível chamada da faculdade, após o período inicial de matrícula (até amanhã). É que ele ficou em 21° lugar na classificação do vestibular, em 30 vagas. E não passou, porque 50% dessas vagas são reservadas para cotistas. [revolta mode on]

Ah, e tem também a frustração de nunca mais ter visto nenhum filme que preste no cinema. E ainda mais lendo as críticas da Lola. A última tentativa de ver Benjamin Buton resultou numa viagem a Itabocas para o filme não estar mais em cartaz. Sobrou Sete Vidas. Até razoável, se eu conseguisse esquecer que estava ali desejando ver outro filme. (Valeu pelas companhias). Estou precisando de um mergulho na civilização, com uma maratona cinematográfica. [Namorado, tá lendo isso???]

Tenho tannnnnnnto pra contar... falar sobre o circo, onde Namorado me levou sábado (ou eu o levei?) que renderia uns três posts, considerando a quantidade de reflexões que me provocou, sobre o calor e o ar condicionado novo da minha sala, sobre a ânsia de fotografar e a falta de tempo e oportunidades, já que passo o dia no trabalho e a noite cansada em casa... Vocês podem me entender?

Pois então. É isso desabafei. Tô agoniada e quero outras coisas no meu dia-a-dia. Prontofalei.

Nenhum comentário: