20.9.09

Uma carta para mim

Querida:

É muito difícil acreditar que as coisas e pessoas que fazem nossa realidade tao intensa numa época não serão para sempre. Você aos 22, transbordante de felicidade e cheia de idéias e ideais, nem imagina o quanto sua vida vai mudar nos próximos 22 anos. (Na verdade, não é SUA vida, mas a MINHA vida, mas imagine apenas que quem lhe escreve é uma mulher madura, de 44, que experimentou vários tipos de mudanças, transições, transformações.)

Você é feliz, e sabe. A frase “eu era feliz e não sabia” não cabe em você. Mas escute-me e acredite: Existem muitos tipos de felicidade.  Assim como para perceber a felicidade é necessário conhecer a tristeza, você também tem essa consciência. Por isso você dá tanto valor à felicidade que agora sente. Desfrute-a, mas não pense que ela é eterna. Muitas coisas ainda acontecerão na sua vida que irão lhe dar a exata dimensão da ação de Deus na sua vida exatamente nos momentos em que a felicidade aparece em seus momentos extemos: de presença que preenche todos os espaços ou de ausência que deixa um vazio enorme.

Você vai experimentar todos os sabores das emoções. O azedo do medo, o amargo da tristeza e da desilusão, o doce da vitória e da alegria… e aqueles indescritíveis que só o paladar emocional pode provar.

Seus valores irão mudar, sua percepção da vida vai mudar, você vai mudar. Porém mais do que mudar simplesmente, você vai entender as mudanças ao descobrir um fato que será determinante na sua auto-aceitação, tão difícil até aqui. Você (e mais um monte de gente, não se preocupe) tem deficiência de um neurotransmissor (dopamina) no córtex pré-frontal, o que afeta sua vida de maneira prática numa forma que você nem imagina. E vai descobrir isso somente perto dos 40 anos, vai chorar ao ver que muitas das cobranças que você mesmo se fez poderiam ser respondidas clinicamente, mas o choro vai ser uma espécie de redenção; com essa compreensão você vai partir para um processo de libertação do sentimento de culpa e dos rótulos que lhe colocaram e você aceitou ao longo do caminho. É claro que se esta compreensão chegasse antes, trazendo com ela a libertação da culpa e dos rótulos, sua vida seria muito mais fácil. Mas eu me pergunto: Aos 22 (ou aos 16, aos 18, aos 30…) você teria maturidade para entender tudo isso, como entendeu aos 39? Não saberemos. Em todo caso, vai ser bom se conhecer melhor, você vai ver.

Alguns amigos de hoje serão presença constante, outros tomarão “chá de sumiço” por algum tempo mas voltarão ao seu convívio através de uma coisa que você ainda não conhece, mas vai ficar deslumbrada quando experimentar: a internet. (Mas isso é outra parte da história.) Não se engane: alguns dos que você pensa serem amigos, não chegam nem perto disso, suas decepções serão grandes, mas outros virão para lhe provar que amizade verdadeira existe, e quem sabe o quanto dói a decepção valorizará ainda mais os amigos fiéis.

Não fique triste por não ter um bebê nos braços. Está muito perto disso acontecer, e serão emoções intensas desde o início da gravidez até o momento da realização desse desejo. Nem tenha medo da tarefa de ser mãe. Você vai dar conta, e muito bem. ;) Aos 44, você verá dois lindos jovens que refletem muito do que você é hoje, numa edição melhorada.

Seu rumo profissional também vai dar uma guinada a ponto de você se questionar se valeu a pena andar por esse caminho até então. E você mesma vai se responder que tudo que experimentou na vida lhe conduziu ao que é hoje. Se as experiências fossem diferentes, se as escolhas tivessem sido outras, a pessoa que você se tornou também seria outra. Melhor? Pior? Não sei. Diferente, com certeza.  Mas, quer saber? Você é gente boa! (E ninguém melhor do que eu pra te dizer isso, já que te conheço melhor do que qualquer outra pessoa.)

Bem, eu ainda teria muita coisa para dizer, mas aos 22 você não entenderia… certas coisas só mesmo com a maturidade e com a experiência podem ser realmente assimiladas e conselho… só se dá a quem pede, não é assim que dizem?

Então, minha querida, vá vivendo, um dia de cada vez, sem querer mudar o mundo sozinha. Basta mudar o SEU  mundo, já é suficiente. Ah, e além de usar filtro solar, tome banho de chuva.

 

Silveira na Ilha 02-05-2009  (135)

 

 

Esta “carta para mim” é parte da blogagem coletiva promovida pela Elaine, pelo aniversário do seu blog Um pouco de mim.

elainegas

Elaine, muito obrigada por permitir que eu me dissesse coisas que eu precisava ouvir, mesmo hoje. Um beijo, querida, e parabéns pelo aniversário do blog!

Um comentário:

Kadija Teles disse...

"Um pouco de miiiim, também de você, formamos um toodoooo, no amor e quereeeeer", da série "aqueles corinhos chatos que rolava antigamente"..Adorei o post. Fico a me perguntar tanta coisa dessa aí...vixi!
Bjs