9.2.10

Cinema em casa, brigadeiro de ovomaltine e saudade antecipada

Domingo teve almoço com amigos e sessão de cinema em casa.

O cardápio do almoço foi caruru, vatapá, moqueca de frango e farofa de dendê. Posso dizer que tava delicioso, porque não fui eu que fiz! [Lógico! Qualquer pessoa que me conhece saberia que cozinhar não é a minha praia, ainda mais comida trabalhosa, como a comida baiana!] O caruru foi “quentinha” de Naiana Rabat (3634-4950). Essa foi a segunda vez que pedimos, a primeira foi há duas semanas, um catado de aratu divino. (Tem fotos, mas não descarreguei da câmera de Marido). Felipe, Karol e Amélie [na barriga da mãe] foram os convidados, aliás, são as visitas mais frequentes em nossa casa. Quando estávamos almoçando lembrei que eles estavam na nossa primeira refeição, no dia da mudança, e que era caruru.

Depois do almoço inventei de fazer brigadeiro de ovomaltine, receita da Tâmara, e já digo que ficou de-li-ci-o-so; só que não coloquei nos copinhos, foi “de colher”, no prato, mesmo. Mas o mais legal é que não encontrei o abridor de latas… e joguei pra cima dos homens da casa a responsa de abrir o leite moça. Felipe correu, mas Marido resolveu em dois tempos, com uma faca de cozinha. ;) Comi tanto que fiquei com dor de barriga, mas isso não precisa comentar.

O filme da sessão da tarde foi O Fabuloso Destino de Amélie Poulain, imagecom vários motivos para a escolha. Um deles é que ver Paris é sempre bom. E como estamos com a viagem de lua-de-mel às portas… ver lugares por onde queremos passar é bem legal. Outro motivo foi que Marido não tinha assistido o filme ainda, e o último é que a Amélie da barriga de Karol vai terminar de crescer longe daqui, e todos esses programas legais que fazemos juntos vão ficar mais difíceis de acontecer. Então foi meio que uma despedida ou um matar-a-saudade-antes-de-ir-embora, escolhendo o filme que deu origem à escolha do nome.

Eu ia escrever um post altamente passional, com um monte de fotos e tudo que eles merecem, mas com as 1488 interrupções que tive, a coisa ficou complicada. O post-despedida dos irmãos do coração vai outro dia. E comentar Amélie [o filme] nem precisa, né?

Nenhum comentário: