8.3.10

Top 5 RC

Foi idéia do Inagaki, no twitter. E eu lembrei da Luciana, fanzoca do “RobCar”, como ela se refere a Roberto Carlos. Todo mundo sabe que minha paixão hors concours é Chico, aquele de quem todo homem é corno e não reclama que não precisa de sobrenome, mas RC tem seu lugar na música brasileira, e obviamente na trilha sonora da minha vida. Confesso que não gosto tanto de vê-lo cantar, mas gosto das músicas, cantadas por ele ou por outros [apesar de nunca ter comprado um único CD].

Convencionou-se que gostar de Roberto Carlos é brega, e que assistir ao especial de natal na globo é deprimente. Eu não concordo nem com uma coisa nem com outra, mas não tenho a intenção de julgar o mérito da questão, quem quiser continuar achando, que ache, não me afeta. [Nos dois últimos anos assisti ao especial abraçadinha com Marido e foi uma delícia.] A proposta aqui é fazer uma lista das 5 melhores músicas de Roberto, e vamos a elas.

Não é fácil selecionar tão poucas num universo tão grande (não faço nem idéia de quantas são), em 51 anos de carreira, e resolvi que seriam as 5 primeiras que eu lembrasse, ou seja, as 5 Top of Mind. E a primeira foi “Debaixo dos Caracóis dos seus cabelos”.

A música passou a ter sentido pra mim quando eu morava longe de casa, morria de saudade da areia branca e da água azul do mar de minha terra, e esperava voltar pra casa, me sentir em casa. “Você olha tudo e nada lhe faz ficar contente / Você só deseja agora voltar pra sua gente” Por cinco anos essa música foi como um hino, uma canção do exílio, para quem, como Caetano, se sentia exilada, ainda que por vontade própria.


 

A segunda foi “Fera Ferida”. Que diz uma coisa muito certa: “Eu sei, que o coração perdoa / mas não esquece à toa  / e eu não esqueci.” Perdoar é uma coisa, esquecer é outra. Porque não tem sentido esquecer o que passou, é necessário lembrar pra aprender a não errar de novo.

 

Meu nº 3 no Top of Mind é “O Amor é a moda”. Da década de 80, eu acho, e pouco conhecida, essa música diz tudo que uma mulher romântica quer ouvir de um homem, do seu homem: “Homem que tem sentimento briga por tudo que quer. / Ama independente da moda, / Macho mas não se incomoda de ser um doce com sua mulher…

 

Seguindo a lista das minhas lembranças, o quarto lugar fica com “Eu só vou gostar de quem gosta de mim”. É meio que a música oficial de quem já foi traído, de quem já curtiu dor de cotovelo por investir tempo e emoção em quem não deu retorno, é também a música da hora da virada. “Agora não vou mais chorar, / cansei de esperar, de esperar enfim, / E pra começar, eu só vou gostar de quem gosta de mim!


 

E pra terminar, em 5º lugar, a música que me traz saudade do que nunca vivi: “Música Suave”.

 

Ainda bem que tocou
Essa música suave
Eu posso dançar com você
Como no passado
Dançando assim
Eu tenho você nos meus braços
E posso sentir seu corpo macio
Seu peito desse jeito
Apertado no meu peito
E seu rosto colado no meu
Me convida a dizer
Coisas que as outras pessoas
Não devem saber
Me abrace mais forte
Não se importe com os outros casais
Que bom se essa música
Não terminasse jamais…

E pra terminar o post , mais uma canção de Roberto, especial para a Geórgia, que hoje, Dia Internacional da Mulher, está fazendo aniversário:

 

Querida, que as emoções deste dia sejam doces e fortes, como você! Te amo!!!

Nenhum comentário: