15.4.10

O caso da vacina

Resolvi contar aqui minha experiência com a vacinação contra a gripe H1N1, já que ouvi várias pessoas reclamando/comentando/perguntando sobre a dor (ou não) da vacina.

Mas antes de falar da dor, vou falar que eu furei a fila, que nem a Aline Monteiro, e pelo mesmo motivo: minha faixa etária foi simplesmente esquecida. Segundo o Ministério da Saúde, os que têm entre 40 e 59 anos não merecem ser vacinados! A não ser que tenham doença crônica grave, tipo diabetes, asma, hipertensão… E seguindo a orientação de Karol, fui lá dizer que tinha uma “doença crônica grave”. Fui com uma amiga, e combinamos: Eu teria asma (tenho mesmo uma alergia respiratória crônica) e ela seria hipertensa.

Só que enquanto estávamos a caminho do posto de vacinação, uma outra amiga ligou, e chamamos pra que ela viesse também se vacinar. Ela demorou um pouco de chegar, e não deu tempo lembrar a ela que tinha que dizer que tinha uma “doença crônica grave”. Aí quando a moça lá perguntou a idade, viu que estava fora da faixa, perguntou: Qual o seu problema de saúde?” E a tontinha: “Nenhum, minha saúde é perfeita!” Mais que depressa eu emendei: E a diabetes? Ela meio sem graça, se saiu: “É mesmo, nem lembrei!” É mole??

Eu nunca tive medo de vacina, sempre entendi que é uma proteção necessária e eficaz, e se chego a ter alguma dúvida é sobre as condições de conservação, não confio naquele isoporzinho, pra garantir a temperatura, não… Nos últimos dias recebi e-mails defendendo a vacina contra a H1N1, e pra mim, nem precisava. Mas é sempre importante lembrar que ela é contraindicada (com hífen ou sem?) para pessoas com alergia/intolerância à proteína do ovo.

Sobre a dor, ao contrário da Aline, na hora não doeu NADA. Tanto que eu aproveitei pra tomar junto (no outro braço) a de Febre Amarela, necessária pra quem vai sair do país. Essa doeeeeu, entrou rasgando, o líquido queimou, ardeu, sei lá o que foi aquilo. E as duas rindo, porque só tomaram “a que não dói”.

Mas cerca de duas horas depois, a situação se inverteu. O braço da Febre Amarela ficou tranquilo, e o da H1N1 começou a doer, mas doer tanto, que eu liguei pra Stela, pra saber o que fazer. Ela disse que era assim mesmo, que doía muito, e mandou tomar um anti-inflamatório e fazer compressa quente, que ia aliviar. Eu fiz tudo, e a $%*#(@& do braço não parou de doer.

Captura de tela inteira 15042010 211651.bmp

A primeira noite eu mal dormi, porque se o braço encostasse em qualquer lugar, eu acordava, pulando de dor. Olha o meu humor na manhã do dia seguinte:

Captura de tela inteira 15042010 211657.bmp

Pois então, lá se vão TRÊS DIAS, e… o braço ainda dói. Não dói mais como antes, mas ainda está rejeitando qualquer contato.

E vocês? Já tomaram a vacina? O que sentiram?

Nenhum comentário: