15.8.10

Atualização literária e filmográfica

Sem firulas (e sem broncas, por favor), algumas notas sobre os livros e filmes dos últimos tempos.
Livros:

* Preciosa - (Sapphire, Ed. Record, 2010). Fiz questão de ler antes de ver o filme. E foi daquelas image leituras que precisam ser ininterruptas. Narrado em primeira pessoa por Clareece Precious Jones, na linguagem em que ela teria falado, com todos erros e vícios de linguagem de uma moradora do Harlem, de 16 anos, analfabeta e sofrida como não sei se pode ser pior de alguma forma. Violentada pelo próprio pai, com a conivência da mãe (me constrange chamar aquelas pessoas de pai e mãe) desde criancinha, Precious teve dois filhos fruto dessa violência. A história começa a ser contada quando ela está grávida do segundo filho, e acontece aquilo que pode ser considerado um milagre: A coordenadora da escola se interessa por ela e a encaminha para uma "escola alternativa".  A partir daí as coisas começam a mudar, e, apesar de não ser nada fácil nem ter um happy end explícito, o crescimento da autoestima de Precious já funciona como happy end. Não sei se quero ver o filme. O livro tem cenas pesadas demais pra eu aguentar assistir.

* Cartas a um jovem fotógrafo (Bob Wolfenson, Campus, 2009). Comprei ano passado, exatamente no dia da fotografia (19 de agosto), mas não li imediatamente.

Na verdade não é o que eu pensei que fosse, mas de toda forma gostei de ler. Bob Wolfenson, famoso fotógrafo de moda, conta sua história de vida, absolutamente diferente da minha, e dá conselhos que no geral são bons, mas no particular não me servem muito. O autor, de origem judia, teve o que se pode chamar de "sorte na vida", pois mesmo tendo perdido o pai na adolescência, teve um cunhado que trabalhou  na Veja, e o colocou lá dentro como faz-tudo aos 16 anos.
 image
Ele se jogou na fotografia, e saiu da Veja aos 20 anos, fotógrafo. Aos 25 fotografou a capa de um disco de Caetano Veloso,  depois resolveu se aventurar no "Sonho Americano" e se oferecer como fotógrafo auxiliar de alguns famosos. Vendeu o que tinha, se arriscou, e voltou, dois anos depois com o foco em fotografia de moda (Recentemente, fotografou Cleo Pires pra Playboy).


Wolfenson conta detalhes de sua experiência, com um super equipamento, uma enorme equipe de produção, e todo o glamour (e estresse) que o mundo da moda oferece. Foi bom pra saber que essa não é minha praia.


*Jogue fora 50 coisas (Gail Blanke, Ediouro, 2010).  Parece livro de autoajuda, mas não é. Ou melhor, até é um pouco, mas  é bem prático, dá uma direção para a faxina de coisas que devem ser descartadas na nossa vida, passando pelos vários cômodos da casa (banheiro, quarto, sala, escritório, sótão, porão...) e propõe que você se desfaça de 50 coisas que no frigir dos ovos, estão na sua vida mas não lhe fazem bem.


"Jogar fora" pode ser Dar de presente a alguém que queira/precise, doar para a caridade, vender, colocar num bazar, ou mandar pro lixo mesmo.  O interessante é que "coleções" ou "montes de" contam como UMA única coisa: CDs, revistas velhas, roupas...

Após seguir pelos cômodos da casa, a autora sugere ir aos pensamentos, emoções e lembranças. Pra mim, valeu demais. Até comecei a jogação de coisas fora, mas parei na sala, porque entrei na crise alérgica e não deu pra mexer nas outras coisas cobertas de poeira. Minha listinha está em 8 coisas.


Filmes:

A Princesa e o Sapo - (Animação, Disney, 2009). Assisti no PPV da Sky, gostei tanto que assisti image3 vezes.  Um musical que se passa em New Orleans, onde uma moça que não é princesa beija um sapo que na verdade é  um príncipe encantado por um vodu, mas em vez dele voltar à forma humana, ela é que se transforma em sapa. Falando assim, pode parecer uma historinha simples e sem graça, mas, como sempre, nos musicais a Disney acerta a mão. Além do que, tem sempre aquele lance da mensagem por traz da história, que no caso tem a ver com amor e renúncia, luta pelo sonho e amizade de verdade.

Assisti dublado e depois legendado, depois dublado de novo. Preciso dizer que gostei MUITO?


Um sonho possível - (De John Lee Hangkok, 2010, Oscar e Globo de Ouro de melhor atriz para Sandra Bullock, indicado a melhor filme).
image

Também pelo PPV da Sky, o Santa Clara não está colaborando MESMO.

Gostei muito do filme, mesmo que pareça uma água-com-açúcar, e mostre uma família perfeita que, sinceramente, eu duvido que exista. Mas dá uma sensação boa de imaginar que foi baseado numa história real, e uma mulher forte e raçuda (acho que ela deve ter nascido na Bahia...) enfrenta tudo e todos pra adotar um rapaz desajustado, que é colega de seu filho pequeno. Acho que essa história é bem semelhante à de Preciosa, no que diz respeito à autoestima e superação, embora o final feliz desse é mesmo uma coisa de sonho. Sandra Bullock dá show de interpretação, os prêmios foram merecidos.


O Solista - (De Joe Wright, 2009) Também no PPV da Sky.

Baseado na história real de um esquizofrênico que é encontrado na rua (sem teto) por imageum jornalista em busca de "uma história". É um filme dolorido, especialmente porque a gente sabe que esquizofrenia não tem cura, e  o sofrimento não é só para o doente, é para todos que convivem com ele e o amam. O jornalista se afeiçoa ao músico, mas a instabilidade do doente o impede de ajudar como gostaria. É mesmo muito difícil saber que a pessoa precisa de ajuda, mas como não tem consciência disso não pode receber essa ajuda.

No filme tem muita música boa, as cenas de Nathaniel tocando violoncelo são demais! 





Shrek para sempre - (Animação, Dreamworks, 2010).

No Santa Clara, finalmente!  Com Liane, sem nenhuma criança pra álibi, duas "gente grande" num desenho animado.image Não vou dizer que é o melhor da coleção, ao contrário, é o menos engraçado, com menos referências às histórias infantis - que pra mim era o ponto alto do primeiro filme. Mas no quesito "fazer pensar" ele leva muitos pontos. A rotina do casamento, o desejo dele jogar tudo pro alto, de ser livre novamente... é algo muito mais presente na realidade do que se imagina. Mas o que os Shrekzinhos da realidade não lembram é que não existe feitiço, encantamento, acordo com Rumpelstistikin pra fazer voltar o tempo e tudo ser igual como era antes. O que foi feito, está feito. E sempre há consequências.





Príncipe da Pérsia - (De Mike Newell, 2010). No Santa Clara - MILAGRE! - na semana de estréia nacional.  Sei que não fui sozinha, mas não consigo lembrar com quem fui.  Bléh.
image
Tive boas lembranças do game pra pc da década de 80, por incrível que pareça, no filme cheio de efeitos especiais dava pra reconhecer os gráficos do game antigo. Interessante é que estavam presentes no jogo muitos elementos que só agora, assistindo o filme, pude entender, como por exemplo, a adaga. Tá, eu confesso, minha cópia era pirata e eu só sabia que tinha que "ir indo", lutar com a espada, pegar a adaga, tomar a poção, escalar os muros do castelo... e eu nunca zerei o jogo!!!!

O filme é daqueles "colhudeiros", mais mentiroso impossível. Mas dá pra dar umas boas risadas! E Jake Gyllenhaal de Príncipe Dastan estava linnnnndo!!!

Acho que teve mais, mas se não lembro nem com quem eu fui assistir Príncipe da Pérsia, esquecer outros filmes é moleza. Teve um que assisti com Marido e ele não dormiu... mas não lembro qual foi!!!

Estão na lista de livros a serem lidos: O evangelho Segundo Jesus Cristo, de Saramago (já estou na metade) e Querido John, de Nicholas Spark, o mesmo de Diário de uma paixão (Noah’s Notebook). Na lista de filmes estão um monte, que agora eu esqueci.

UPDATE - Lembrei! Assisti  também Abraços Partidos (de Almodóvar, 2009). Na Sky. Um filme tocante, com vários temas polêmicos, típico do diretor. Um amor intenso e breve (ou seria paixão?) acaba tragicamnte com um acidente, que mata a moça e deixa cego o rapaz. Um roteiro intrincado, que não dá pra comentar rapidamente, mas bem "amarrado", não precisa de explicações extras e não tem "furos". Eu gostei. 

3 comentários:

Patricia Daltro disse...

Duas constatações ao ver sua lista: 1ª Caramba, faz tempo que não leio um livro novo e estou totalmente desatualizada dos lançamentos!!!! o.0
2ª a mesma coisa em relação aos livros, acontece em relação aos filmes!
Gostei das sugestões da lista e vou ver se consigo atualizar as minhas.

Kelly disse...

Assisti Preciosa e Um sonho possível, realmente vale muito a pena. Quanto as outra indicações vou correr atrás, me interessei muito. beijos

Tucha disse...

Vamos fazer um troca-troca de livros ... vou levar alguns para Ilhéus e quero trazer outros;Gostei deste de jogar 50 coisas fora, na verdade acho que tenho mto mais para jogar e vou ter que fazer isto em breve com a "mudança" que virá.