22.10.10

Ensaio sobre a enxaqueca atualizado - ou quase um Clássico Republicado

Estava em dúvida se dormia pra ver se a infame passava, ou se escrevia sobre ela, pra ver se "exorcizava" verbalizando. (Quem disse isso? Jung? Nietzsche? Freud?)

Enfim, não consegui dormir, vai sair a escrita. Tomando por base um post escrito nos idos de 2007  com algumas alterações pertinentes.

Coisas que aprendi sobre a minha relação com as crises de enxaqueca:

1. Tem a ver com a TPM. Quando eu menstruava, podia ter certeza que dia aconteceria, porque na véspera dava uma dor daquelas de matar. E isso era até "bom", porque com o ciclo irregular, a enxaqueca era o que me salvava de passar vergonha na rua.


2. É detonada por alguns cheiros, como inseticida, perfumes muito fortes e especialmente os doces.

3. Explode invariavelmente se eu chegar perto de maracujá, seja a própria fruta, mousse, bolo, doce, suco, sorvete, picolé ou produtos da Natura.

4. Tem um lado emocional. Se eu tomar um susto, ó ela. Se eu passar raiva... bingo! Se ficar preocupada... tchan ran! (e nesse caso, uma diarréia acompanha o quadro).

5. Tem a ver com o colchão e o travesseiro. Se não for o MEU travesseiro e o MEU colchão... não é certeza, mas ela provavelmente aparecerá.

6. Pode vir por privação de cafeína. Quero dizer, se não tomar café (ou coca), ela aparece, com certeza.

7. Quando vem, a luz incomoda insuportavelmente. E o som... qualquer som é um martírio. a campainha da porta, o telefone, o celular, as vozes de qualquer pessoa... Falar ao telefone, então, é absurdamente dolorido. O único som que consigo ouvir é de música, e aí não importa qual, desde que seja da minha escolha.

8. Há algum tempo atrás, tinha uma maneira de fazê-la desaparecer: Dormindo. Mas tinha que ser dormindo fora do horário normal da noite, tinha que ser um sono extra, com o rosto coberto por um travesseiro, ou uma toalha ou uma daquelas máscaras para os olhos, que eu tinha uma de cetim azul, bem macia que alguma costureira fez (não lembro quem). Mais recentemente comprei uma menorzinha, pink e preto, onde se lê: "Se me acordar eu te processo".  que a Patrícia Daltro faz e é uma delícia, recheada de macela. Nos últimos tempos, não tem sono extra que faça passar. Está cada vez mais comum.

9. Dói "por etapas": só o lado direito, só o esquerdo, só a fronte, só a nuca, só o "topo"... E dependendo do local onde dói, tem a posição pra deitar.

10. Piora com demonstrações de piedade ou solidariedade. Podem crer. E isso é descrito até nos livros de homeopatia. Essa parte mudou, podem demonstrar solidariedade, me botar no colo e fazer um cafuné, ajuda bastante.

11. Às vezes melhora com aquecimento dos pés, ou um bom edredon. Em outras vezes, melhora com banho frio, lavando a cabeça e dá uma sede fora do normal. Nessas horas, água bem gelada dá um alívio imediato, depois a dor volta. Durante um tempo, tomava água com gás, e quando arrotava a dor aliviava. Depois parou de funcionar assim, e deixei de tomar a infame água com gás que eu odeio. Gente, eu JÁ ODIEI ÁGUA COM GÁS??? Eu AMO!!! Vou comprar DJÁ!

12. Por falar em arrotar... o estômago dá mil voltas e é uma sequência de arrotos azedos e queimantes. Mas sem chegar às vias de fato, nunca chego a vomitar. Ultimamente esse enjôo está me incomodando mais do que antes. (Estarei grávida???)

13. A dor na cabeça é pulsante e às vezes parece que há uma pressão grande de dentro pra fora. E dá vontade de apertar de fora pra dentro, pra ver se a dor passa.

14. Quando ela vai embora, nunca vai "de vez". Vai indo... e a cabeça ainda fica pesada por cerca de 12 h. E o enjôo demora ainda mais de sumir.

15. Já usei muitos remédios da farmacologia alopata (sumax, ormigrem, migrane, cefaliv, dorflex, neosaldina, optalidom e vomex foram os últimos), da homeopata(nem lembro de todos, mas os últimos foram calcarea carbonica, natrium muriaticum e nux vomica), da naturalista (bacilos de Kefir, chás variados), fora toda a minha relação com Deus e as tentativas de racionalizar os motivos e tentar evitar os agentes causadores. Quando algo parece que vai dar certo e eu me animo... aí vem outra crise e me mostra que ainda não foi dessa vez.

16. Mesmo sem dormir, ficar de olhos fechados ajuda muito. E não falar, também. O pior é que nessas horas SEMPRE tenho que abrir os olhos e falar, ou pior, repetir o que falei.

17. Recentemente passei um tempo bom com as crises espaçadas, e relacionei ao fato de estar tomando meloxicam  15mg diariamente, para as mazelas de joelhos/tornozelos, mas foi só uma ilusão, continuo com o meloxicam e o espaçamento das crises diminuiu sem dó nem piedade.

18. O lance da alimentação pra mim não funciona. Tem um Dr. famoso que faz apologia da cura por meio da reeducação alimentar. Mas isso deve ser para os fracos, ou melhor, para as dores fracas.

19. Dura vários dias, e pode me dar períodos de trégua, geralmente quando aparece algo bem legal e prazeroso pra fazer.

20. Alivia com toque: massagem, sessão de fisioterapia e afins.

21. Me deixa com um mau humor do cão. Então escolha: afaste-se pra se livrar dele ou aproxime-se e me ajude a me livrar dela.

4 comentários:

Patricia Daltro disse...

Bel, tu viu naquele post que te indiquei que fala de um doutor especialista na bagaça? Curou uma conhecida minha a Joana que é a @docesverdades.
De repente, quem sabe, mesmo ele sendo de Sampa, poderia te ajudar.
Lendo seu post, vejo que a minha (embora não tão frequente quanto a sua), é bem similar, até o lance dos cheiros, nervoso, susto... Uma droga...
Há coisa de 4 anos sofri demais com ela, parava no hospital de 15 em 15 dias direto.
Mas, desde que o Daniel nasceu diminuiu tanto a frequência, quanto a intensidade. Ainda tenho enxaquecas, mas já consigo conviver com ela de maneira quase civilizada.

Michele disse...

Graças a Deus nunca tive enxaqueca... mas minha prima tem crises terríveis (chega a vomitar) e depende de um medicamento para cortar as dores. Ela fez todos os exames possíveis e está tudo aparentemente normal. Logo, cafeína, chocolates etc nem pensar! Mas e o estresse, a TPM, como evitar?

Melhoras pra você!

Um beijo e ótimo fim de semana, Bel!

Kadija Teles disse...

Menina, o buraco é mais embaixo, hein? Ou melhor, mais em cima...Vixii...
Já que vc falou em toque, eu me lembrei de uma vez q um amigo meu faleceu, eu fiquei em estado catatônico e tive uma crise dor de cabeça muito doida: A bicha chegava todo dia no mesmo horario e travava minha mandíbula, era horrível! Tomei tandrilax e nada.Até q um dia resolvi fazer uma ayuvédica e pimba! Nunca achei q isso ia acontecer comigo, de massagem melhorar dor, eu era muito cética.
Depois dessa massagem, fiz outras vezes...A bicha é retada mesmo. A segunda q fiz, q foi com uma outra pessoa me deixou meio febril, lerda, etc...Depois disso nunca mais tive uma dor de cabeça daquelas..Ainda tenho dores de cabeça ( como agora!), mas nada comparado àquelas...
Bem, esse relato é só pra compartilhar, pra vc n se sentir só, pq eu sei q pelo visto a sua é de pirar o cabeção..Mas é bom mesmo fazer uma anamnese e ver o que tá te deixando assim: se é alimentação, estilo de vida, intolerância a alguma coisa...Já tentou iridologia? Eles descobrem é coisa pela íris..
Um bj:
Dr. Kadija, ihihih

Blog da Pandinha disse...

Nossa Bel.....vc descreveu tudo.....eu não contei os detalhes da dor.....mas seu post completa o meu totalmente. Amiga, só a fé mesmo!!!!!! Que esta dor suma de nos! Bjs