19.12.10

Amigo Secreto e sentimentos secretos

Eu já falei várias vezes sobre minha falta de sorte nos Amigos Secretos dos quais participo, mas neste final de ano aceitei de pronto a sugestão da Intense pra um Amigo Secreto beeeem particular, entre seis blogueiras que certamente iriam presentear umas às outras com muito carinho. E assim teríamos uma lembrança "para sempre" do ano de 2010 em que passeamos entre os blogs, rindo, chorando, dando apoio, fazendo graça, "perturbando"... enfim, um momento de troca de presentes entre gente que se ama apesar da distância e mesmo sem se conhecer "ao vivo e a cores". Acho que somente eu e Jady nos conhecemos pessoalmente, conhecer as outras todas ainda é desafio  para 2011!

Assim, Patrícia Daltro, Jady, Aline Monteiro, Jullyane, Intense e eu fizemos cadastro no site www.amigosecreto.com e mandamos ver! O mural de recados e os bilhetinhos anônimos foram sucesso total, e mesmo com tão poucas possibilidades, ainda rolou uma certa surpresa!

Entre sugestões sobre não-presentes e desejos (eu queria um iPhone ou um Blackberry) a minha amiga me mandou via Submarino a Sétima (e última) temporada de Gilmore Girls.

Presente AS 003 c

O cartão veio sem assinatura (assim como o pacote da amiga que eu tirei, e que nem cartão teve, shame on me!), mas pelo texto só poderiam ser duas das moças da laje (piada interna): Ju ou Intense.

Presente AS 002 c

Logo depois que eu tuitei sobre o presente ter chegado (os correios tentaram duas vezes e não tinha ninguém em casa - na sexta eu decidi: não saio de casa hoje nem por um decreto), veio a resposta:

Captura de tela inteira 19122010 150128.bmp Captura de tela inteira 19122010 150310.bmp

Então, foi a Ju que me tirou, e nos bilhetinhos anônimos ela fez de tudo pra que eu não desconfiasse, e não desconfiei mesmo, não vou mentir. [Achei que era a Pat... hehehe]

Ju estava às voltas com a defesa do TCC - e se saiu excepcionalmente bem, tirou DEZ!!! - e por isso não mandou junto com aos DVDs o que ela chamou "Kit Piauí" e que eu vou cobrar até chegar. Vê se dá pra dispensar isso:

"...um pacote com cajúina, uma camisa com motivos piauienses e alguma coisa de artesanato q eu achasse interessante. Ah! Tbm ia gravar os cds da banda Validuaté (de Teresina) que é uma das minhas bandas favoritas pra vc ouvir..." -

[Veio no e-mail super delicado que recebi na sexta à tarde.]

[Marido já gritou que a camisa é dele, então, Ju, favor mandar DUAS! hahahaha]

Pois é, a Ju, a moça das vermelhas unhas, lindona, elegante, festeira, doce e delicada, bem humorada e carinhosa, que escreve e-mails confessionais e cheios de "babados", ciumenta (não é, Dani?)... uma amiga pra se guardar debaixo de sete chaves, do lado esquerdo do peito, dentro do coração... foi a minha Amiga Secreta. E a Jady já estava desde cedo cobrando o post-revelação.

Relutei em escrever este post por alguns motivos... e o primeiro é que eu precisava de calma para conseguir dizer tudo o que GG significa pra mim, e nem sei se vou conseguir.  Talvez fosse mais fácil passar batido, dizer que adorei o presente e pronto. Certamente seria mais fácil e menos doloroso, mas depois de passar a manhã de domingo assistindo 7 episódios da 7a. temporada, precisei encarar e vir aqui dizer pra Ju e pra o meu grande público  vocês um monte de coisas que pouca gente sabe. Marido, Jady, Geórgia e Lu, minha amiga-manicure têm compartilhado já há algum tempo disso que eu vou contar aqui, agora.

Pra quem não está por dentro do assunto, as Gilmore Girls são mãe e filha, protagonistas de uma série de TV, que foram instantaneamente identificadas por Line e eu, como se fôssemos nós. Salvo a diferença de Lorelai (a mãe) ter engravidado aos 16 anos, a relação entre ela e Rory (a filha) era muito semelhante à minha com Line. Olha aqui a prova de que não era somente eu que sentia isso: Post dela,  Love Story.

Mãe e filha que se entendiam com o olhar, que falavam muito e muito rápido, que adoravam café, que tinham mil piadas internas, que se entendiam plenamente, que, que, que...  éramos nós duas. Na série, Lor não casou, o pai de Rory existia, mas era um pai com uma presença inexpressiva emocionalmente. Os momentos importantes sempre eram entre mãe e filha, como pra nós. Uma intimidade imensa, com um respeito também imenso. Na série, acho que na 5a ou 6a temporada,  Rory vai para Yale, e passa um tempo em que as duas não se falam. Como a série acabou, posso dizer que teve um final relativamente feliz, as duas refizeram os laços e a intimidade, mesmo com a maturidade e independência de Rory. Na vida real, estamos ainda na fase de separação, onde a mãe se sente rejeitada, desconsiderada e completamente escanteada pela filha, que antes era sua melhor amiga.

Não brigamos - isto é fato - mas falta alguma coisa. Eu sinto falta de tudo que tínhamos, e que eu tinha certeza que era real. Talvez tenha sido porque ela "cresceu" e descobriu que existem outras pessoas no mundo além da mãe, talvez tenha sido porque nossas vidas foram divididas com nossos respectivos amores, talvez porque ela não tenha consciência de quanto me machuca a "ausência" dela em minha vida... talvez eu nunca descubra o motivo, ou se realmente existiu um motivo... ou se tudo aquilo era tão superficial que se desfez com a distância física. Eu sinto muita falta dela. De tudo que ela era, do que ela gostava (nossos gostos eram muito semelhantes na maioria das vezes), do que ela fazia por mim e para mim, do que ela me deixava fazer por ela e para ela... Faz tempo que digo a ela que cansei de cobrar telefonemas, atenção e mesmo simplesmente saber da vida dela. Se antes os sonhos e desejos mais comuns eram compartilhados, se havia um telefonema a qualquer hora só pra dizer: "vi/ouvi/li  isso e lembrei de você!", nos dias atuais eu sei da vida dela pelo twitter, junto com o resto do mundo. E dói.

Enfim... No final da série mãe e filha se reencontram. Eu espero que na vida real não demore muito. Não sei se meu coração aguenta.

38

Setembro de 2006, no fds roubado que tivemos em Recife.

9 comentários:

Elaine Gaspareto disse...

Bel, em uma outra ocasião eu lembro de ter lido sobre este assunto de sua Line Gilmore... e sempre que lembro, ou leio como agora eu penso que isso é mais uma coisa positiva que ser blogueira me trouxe: leio mães, e passei a entender a minha muito mais.
De filha pra mãe eu posso dizer? Tenho certeza que não é intencional eses afastamento. A vida tem vezes que leva de roldão. Sei que dói, mas sinto que não é intencional de jeito nenhum.

Deu, como sempre, um apertozinho em meu coração por conta do tanto que sou afastada de minha mãe...

Beijosss, querida.

Gaby Almeida disse...

E mais uma vez eu choro aqui no blog... Eu tb gosto muito de Gilmore Girls, e sempre invejei o relacionamento das duas, não que o meu com minha mão não fosse bom, mas ela se foi muito cedo e perdeu todas as coisas grandes que me aconteceram e vão acontecer, algumas eu até já decidi que não vai rolar, pq não vai ter graça sem ela (pode ser que um dia eu supere e repense isso). Vc e sua filha vão se entender de novo, essa separação faz parte do amadurecimento.

Carla Ceres disse...

Bel, que post emocionante! Vou torcer pra que 2011 traga muitas aventuras legais pra sua série familiar. Ótimas Festas!

Michele disse...

Que foto mais gostosa, Bel! Daquelas pra se colocar num porta-retratos, pra se olhar sempre e quase conseguir reviver os cheiros e gostos do momento!

Amigo secreto assim vale a pena! Pareceu divertido e só reuniu pessoas queridas! :)

Um beijo!

Patricia Daltro disse...

Eu morria de inveja das Gilmores, queria tanto que minha mãe fosse a metade da Lore, mas ela nunca foi ou quis ser, não sei.
Com certeza, mais que um presente de AS, o DVD traz emoções variadas que tenho te acompanhado tentando entender ou lidar com elas da melhor maneira possível.
Vc leu lá no blog o que desejo para vocês, e que esse presente seja o estopim para esse reencontro...

Dona Amélia disse...

Cheguei aqui pelas palavras da minha xará, a Daltro aí de cima, rs, e como gostei das que li por você mesma resolvi ficar e ler mais... ;oD

Xerinhos
Paty

Talita Gama disse...

A-M-O GG!!
Fato é que passei tardes e tardes da minhas "longa" adolescencia assistindo essa série e sonhando em ter uma Lor, em ser uma Rory haha!!

Enfim.. olha eu me vendo em você de novo ♥

Fica bem ;D

Michele disse...

Bel, seus comentários sempre têm um "toque de mãe" e é por isso que amo lê-los! Muita coisa mudou, né? Acho até que com o desenvolver da gestação, eu fui me permitindo ser feliz, me permitindo crer que eu também podia ser mãe! E Deus nos abençoou demais!

Quero sim entrar em trabalho de parto, mas sou totalmente aberta à cesária. Nossa próxima consulta é dia 28 e se meu útero estiver "intacto" como da última vez, sem nem sinal de parto aparente nas próximas 3 semanas, prefiro que façamos a cesária logo, do que esperar por tanto tempo! rss

Um beijo, querida!
Um lindo Natal pra você e sua família!

Tucha disse...

A relação de mãe e filha é assim... espelhada, afinidades e semelhanças aproximam e atrapalham. Com a minha vivemos entre beijos e brigas, mas nos amamos muito com vc e Line.