25.5.11

Pela liberdade de chorar!

“Só não choro… porque não sou disso!”

Quantas vezes eu já disse isso aqui? Ou falei sobre estar “chorando por dentro”? Inúmeras, eu sei. Mas recentemente, depois de uma conversa com tia Jú comecei a observar algo em meu “comportamento choroso”.

Eu sempre fui chorona, desde criança. Super sensível, e por um nada já estava abrindo a torneirinha dos olhos. (Confira aqui o que eu falei, há mais de 5 anos, sobre ser chorona). Mas de uns tempos pra cá isso mudou, e não, não é porque eu não tenha tido motivos de chorar, tive, sim. Mas simplesmente as benditas não saíam.

E depois de algum tempo sem chorar nem quando sentia vontade, no dia em que mamys caiu da escada eu me acabei, abri o bocão e chore-e-e-e-ei um monte! Mas era um choro estranho, daqueles em que a gente soluça e faz bocão, sem nem se importar com quem está olhando e nem o que os outros irão pensar. Fiz, literalmente, um escândalo! Aí a Dra-melhor-amiga perguntou logo: “você está tomando seu remédio?” Eu: “Tem três dias que estou sem ele.” Ela: “Manda alguém comprar, DJÁ!”

Outro episódio aconteceu quando a mãe da Dra-melhor-amiga morreu, e eu desabei a chorar, pelo telefone, do mesmo jeito, ao ponto de ela chegar a dizer: “Ei, se acalme, a mãe que morreu foi a minha, não a sua!”. Detalhe: foi na época em que fiquei sem o remedinho por 9 dias.

Aí… Há alguns dias tia Jú me ligou pra avisar do Show do maestro Eduardo Lage em Vitória da Conquista e comentou que a emoção foi muita, mas que ela “não chorou porque o anti-deprê não deixou”. Hã? Eu me senti uma completa idiota por não ter percebido isso antes. Então a ausência de lágrimas é simples resultado da Santa Sertalina, que não impede a emoção, mas impede a manifestação dela em forma do líquido precioso que lava a alma!

Assim ficou mais fácil de me entender, [e é isso que eu busco a cada dia…] e de compreender porque tantas vezes me sinto com os olhos pesados e as lágrimas simplesmente não saem.

Agora é hora de colocar na balança o valor do equilíbrio emocional e do correr das lágrimas. Vou atrás de outro anti-deprê que não cerceie minha liberdade de chorar!!!

5 comentários:

Luciane disse...

eu sou super chorona, choro até em comercial de margarina rrsrsr.


mas pra mim chorar faz muito bem, é meu meio de desabafar, pois nem sempre consigo falar o que penso e o que quero, podem em humilhar um monte e eu não consigo nem em defender, são raras as vezes em que me defendo, então eu choro e choro muito, não resolve o problema mas me alivia muito...

bjus

Carla Ceres disse...

Chorar "por dentro", como você diz, também é chorar e tem a vantagem de não borrar a maquiagem nem causar rugas. Beijos da amiga chorona, que só usa batom, mas tem rugas de choro!

Tucha disse...

Usei sertralina durante um tempo, mas não reparei isto. Deixei de lado e tentei equilibrar o humor com outros apoios, talvez chorar seja um deles (rs,rs,rs).

Patricia Daltro disse...

Liberdade de chorar, de sentir as emoções com todas as nuances permitidas, tudo isso não pode ser condicionado por um remédio.Procure sim, um outro que te permita. Vale a pena.
Mas, mais do que remédios impeditivos, não sei se é a minha percepção, mas acho que estamos vivendo numa era - ser feliz é obrigação e sofrer (ou chorar) é desagradável.
Quando começamos a falar do que estamos sentindo, vem sempre alguém para dizer, que isso atrai mais tristeza, que temos que levantar a cabeça e nos erguer. Sei lá, claro que virar a chorona eterna, não é legal, mas tem momentos que precisamos lamber nossas feridas e sofrer o necessário.

Beijos e saudades suas,

Michele disse...

Pois é Bel... acho que há outras opções de anti-depressivos que te deixam bem e não impedem que você expresse livremente seus sentimentos. Você já experimentou a Fluoxetina?

Obrigada pelo carinho, querida!

Um beijo grande!