18.12.11

Eu, caçador de mim!

Milton Nascimento 16-12-2011 Bel 042

Esta foi a música com que que Milton abriu o show de ontem, no Centro de Convenções. Vocês não têm idéia do turbilhão de emoções dentro de mim.  Lembrei do tempo do Coral do Vitória, onde cantávamos muitas músicas dele, e do quanto essas músicas me falam. Literalmente, “há canções e há momentos que não sei como explicar..” “certas canções que ouço cabem tão dentro de mim que perguntar carece: Como não fui eu que fiz?”.

Levei a câmera dentro do case, e fiquei quietinha, esperando pra ver se alguém falava algo sobre “não é permitido fotografar” antes de ameaçarem  tomar meu equipamento. Ninguém falou nada, e me senti à vontade pra encostar no palco (sentada no chão, pra não atrapalhar ninguém, que fique claro) e fotografar à vontade. As fotos não são grande coisa em termos de criatividade, já que ele não é o que se pode chamar de artista performático, mas se a emoção pudesse ser transferida para as imagens… ah, seriam explosivas!!!

A platéia estava num diálogo íntimo com o artista, que soube direitinho ir aonde o povo estava. Sinceramente eu não esperava tamanha participação. Não esperava nem que lotasse como lotou. Ilhéus está numa roda viva de shows bons – e relativamente caros – que a gente está precisando fazer escolhas, entre quais ir em detrimento de outros, e o de Milton nãoestava sendo tão comentado assim. Mas estava cheio. [Nós chegamos, Dinah, Marido e eu,  com uma hora de antecedência, já tinha uma fila inacreditável. Passamos por Marta e Tia Suzana que estavam no comecinho. Oh, angústia de viver o que se prega: lá fomos, honestamente, pro final da fila!!! Qual não foi nossa surpresa que, mesmo ficando no final da fila, sentamos uma fileira  na frente delas! Rá!]

Milton Nascimento 16-12-2011 Bel 158 copy

Quase duas horas de música pura, sem defeito. Com tantos pontos altos, que quando eu pensava que não poderia vir algo mais forte… ainda vinha!

Só começar com Caçador de mim… já bateu lá no fundo, mexendo nas minhas memórias. Depois, Coração de estudante, com outras memórias aflorando. Todo mundo cantando junto “E se quiser saber pra onde eu vou, pra onde tenha sol, é pra l´pa que eu vou!”, completamente inusitado, já que não é do repertório tradicional dele (está no último CD). Saber, pela boca do próprio, que Cravo e Canela foi composta aqui em Ilhéus, na década de 70, para Dina Sfat, trouxe um novo sentido à música, ou melhor, fez todo sentido!

“Nos bailes da vida”  foi outra pancada forte, quando me relembrou: “para cantar, nada era longe, tudo tão bom…” do tempo em que eu vivia de música, pela música e para a música. Deliberadamente fechei a porta da caixinha da memória, pois já estava ficando insuportável.

E veio a bomba mesmo quando ele sentou no banquinho e pediu que a platéia cantasse “Canção da América” pra ele. E não cantou mesmo, ficou regendo, ouvindo, sentindo… lindo demais!!!

Milton Nascimento 16-12-2011 Bel 126

Milton Nascimento 16-12-2011 Bel 129 copy

Milton Nascimento 16-12-2011 Bel 132

Milton Nascimento 16-12-2011 Bel 145

Milton Nascimento 16-12-2011 Bel 146

Milton Nascimento 16-12-2011 Bel 147

Milton Nascimento 16-12-2011 Bel 148

Milton Nascimento 16-12-2011 Bel 149 copy

Milton Nascimento 16-12-2011 Bel 150

Delícia de noite… que ainda teve a oportunidade de subir no palco – a princípio para fotografar, mas depois pra tietar explicitamente, com direito a um abraço  e uma foto louca feita por marido.

Milton Nascimento 16-12-2011 Bel 182

Milton Nascimento 16-12-2011 Bel 185 copy

Milton Nascimento 16-12-2011 Bel 194 copy

Milton Nascimento 16-12-2011 Bel 207

Milton Nascimento 16-12-2011 Bel 209 copy

Olha meus pés ali no palco!!!

Milton Nascimento 16-12-2011 145

                      Foto: Marido Carlos Mascarenhas

Saímos do show flutuando (pelo menos, eu). E fomos atrás de algo ara comer, mas Ilhéus ainda não aprendeu que depois de um show desse, que terminou meia noite, bares e restaurantes ainda deveriam estar abertos…  TUDO FECHADO! O máximo que conseguimos foi uma água de côco na  Avenida, numa barraquinha perto da Catedral, por pura bondade do dono, pois ele já havia fechado e guardado tudo, mas nos serviu assim mesmo. Mas aproveitamos o restinho da noite pra papear, Marta, Dinah, Marido e eu (tia Su ficou em casa).

Enfim… a nota dissonante foi uma mensagem no meu celular, que só vi depois que estava em casa: Nancy, que não avisou que viria, me viu no palco, ligou, mas o celular estava no silencioso (óbvio) e não nos encontramos! Smiley triste

Crítica musical? Nada! Só registro passional de uma noite linda! Obrigada, Amor, por me proporcionar tudo isso. Sua cumplicidade faz tudo ficar ainda mais lindo e emocionante!

[Ah, e ainda fiquei com um excelente material para o Curso Avançado de Fotografia, no tópico “Fotografia de Palco”.]

Nenhum comentário: