22.1.13

Bom tempo

Hoje, no começo da tarde, num momento de desvairio, escrevi no Facebook:

Gente, só pra deixar registrado: Não tô legal, não. Apesar de estar brincando aqui, postando fotos dos passarinhos e compartilhando links, não tô bem.

Pela manhã enquanto vinha do Pontal peguei "aquele" engarrafamento, cheguei em casa suando frio e com palpitação. Tomei um banho, um comprimido "relaxante" e deitei pra esperar passar. Agora tô com frio, e uma sensação horrível de fraqueza, mesmo tendo almoçado bem. Se eu morrer, vocês informem isso ao médico legista. Vou deitar.

#VontadeDeInventarHastagsIguaisÀsDoPrefeitoNetinhoMasSemCriatividade

Pra resumir o que aconteceu depois [depois de 29 comentários, alguns SMSs e mensagens inbox], segue meu status seguinte:

Oi, gente! Dormi, acordei, nem morri.

Marido Carlos Mascarenhas veio correndo, ops, voando quando publiquei aquele status. E veio me dando bronca, porque eu não telefonei pra ele... Mas eu já havia ligado mais cedo, falei que não estava me sentindo bem, e ele veio correndo (antes do almoço). Almocei, ele voltou pro trabalho e eu continuei bad, fiz aquela postagem tô-morrendo-já-morri, todo mundo (oooohhhh como eu sou querida!!!) se preocupou e ele veio correndo de novo. Me encontrou deitada, com frio, e queria me levar pra sala porque era mais fresco (?). Enfim, depois da bronca por ter assustado vocês - que não podiam fazer nada, só se preocupar - ficou um pouquinho comigo e eu dormi até agora (17:50h).

Acordei suada, se tive febre, passou. Ainda tô mole, mas comi um docinho pra dar energia e vim dar notícias. #TODOS COMEMORA

Não é dengue, pelo menos, não, até que se descubra um quinto vírus, pois já tive os quatro. Acho que foi uma queda de pressão mesmo, ou coisa parecida. Mas não foi DENGUE nem DENGO.

Obrigada pelo carinho e cuidado, gente boa. É nessas horas que a gente sente que amizade não é pouca coisa. ;)

Beijo em quem é de beijo, abraço em quem é de abraço.

E foi isso. Outro tanto de gente que não tinha lido o primeiro se assustando com o segundo… e eu ainda mole, mas já sem a morrência. No comecinho da tarde, a fofa da Ligia Ghizi publicou esta foto, dizendo que o sol estava voltando no Rio, e cigarras cantando era sinal de tempo bom.

E me lembrei da música de Chicomeuamor, aquele que não precisa de sobrenome:

Um marinheiro me contou
Que a boa brisa lhe soprou
Que vem aí bom tempo
O pescador me confirmou
Que o passarinho lhe cantou
Que vem aí bom tempo!

Dou duro toda semana
Senão, pergunte à Joana
Que não me deixa mentir.
Mas, finalmente é domingo
Naturalmente, me vingo
Eu vou me espalhar por aí!

No compasso do samba
Eu disfarço o cansaço
Joana debaixo do braço
Carregadinha de amor
Vou que vou
Pela estrada que dá numa praia dourada
Que dá num tal de fazer nada
Como a natureza mandou!

Vou…
Satisfeito, a alegria batendo no peito
O radinho contando direito
A vitória do meu tricolor!
Vou que vou!
Lá no alto
O sol quente me leva num salto
Pro lado contrário do asfalto
Pro lado contrário da dor.

Um marinheiro me contou
Que a boa brisa lhe soprou
Que vem aí bom tempo
Um pescador me confirmou
Que um passarinho lhe cantou
Que vem aí bom tempo
Ando cansado da lida
Preocupada, corrida, surrada, batida
Dos dias meus…
Mas, uma vez na vida,
Eu vou viver a vida
Que eu pedi a Deus!

Amém.

Nenhum comentário: