30.12.13

Reflexões

Perdi as contas de quantas vezes pensei em escrever, desde antes do Natal, desde quando decidi comprar enfeitinhos made in China para a casa… mas por um motivo ou outro, não consegui. Desejei escrever falando sobre ter meu filhote em casa por cinco dias, sobre a Norinha que ganhei em outubro e conheci no Natal. Mas não escrevi, perdi o timing e… já é o último dia útil do ano (Na verdade, este foi um dia bem inútil).

No primeiro dia de 2013 eu arrumei um pote de vidro e um bloquinho de páginas coloridas, e resolvi escrever nos papeizinhos as coisas boas que fossem acontecendo, para que, no final do ano, se eu pensasse que este não foi um bom ano, eu pudesse parar e ler o que eu mesma havia escrito, e assim perceber que não foi tão ruim. Que pequenas coisas boas é que fazem a felicidade.

Mas me perdi nesse meu caminho. Nos últimos meses (não posso precisar exatamente quando) comecei a esquecer de anotar e esse desvio me faz desanimar até de abrir o pote.

Então, até onde me lembro, 2013 foi um ano bom até junho. De julho pra frente, transformou-se num bad year, tal como Dr Jekyll and Mr Hyde. Não dá pra esquecer as viagens, os encontros com os filhos, as pessoas queridas que encontrei neste ano – tanto aqui em casa como pelo mundo a fora. Não, não renego 2013. Mas juro que espero mais de 2014.

Quero entrar no novo ano com um fôlego novo para trabalhar. O estúdio está quase pronto, diminuí a carga horária na faculdade e vou investir nos cursos livres de fotografia.

Tinha planos para uma ação drástica de emagrecimento (aka plástica abdominal), mas a tosse que ainda não me abandonou completamente está sendo um sinal de que não vai rolar, pelo menos, não agora. Então, o emagrecimento vai continuar a ser um projeto de longo prazo, só Deus sabe a custa de quê.

Tenho pensado muito em muitas coisas… mas estou meio  “eu tenho pressa e tanta coisa me interessa, mas nada tanto assim…” e termino me perdendo em tantos pensamentos e tão pouca ação. Que em 2014 eu pense menos e aja mais.

4 comentários:

Neanderthal disse...

Querida Maribel, Deus nos abençoa todos os dias!
Eu tenho certeza disso!
Um grande beijo!

Tucha disse...

Vamos construir uma ano cheio de afetos e coragem pra enfrentar as dores e delícias. Beijso

Anônimo disse...

Sou behaviorista e acredito nas glândulas e nos hormônios.
Destarte, que 2014 seja pleno de reforçamento positivo e as glândulas secretem hormônios na quantidade certa do prazer.
Tudo mais, é – como dizia Skinner – ficção explanatória.
Quanto à alma, se muito, é uma confortável ilusão.
...
“eu tenho pressa e tanta coisa me interessa, mas nada tanto assim…”
Naquele doce jeitinho entediado de Paulinha Toller... Conheço, gosto muito e me identifico.
Mote para uma discussão bizantina ou álibi de mais um entediado: Focar não é também limitar-se?

Fernanda Rodrigues disse...

Eu espero que você tenha um 2014 muito melhor. E também espero que você consiga guardar as suas memórias. Eu fiz em 2013 e foi muito bacana poder abrir o jar no dia 31.

Boa sorte!

Um beijo e feliz 2014,

http://algumasobservacoes.blogspot.com.br/
http://escritoshumanos.blogspot.com.br/
http://nossocdl.blogspot.com/