7.2.14

Amor é pra quem ama

 

Ontem recebi uma música via facebook e não posso (nem quero) negar que me emocionou.

Qualquer amor já é
um pouquinho de saúde
um montão de claridade
contribuição
pra cura dos problemas da cidade

Qualquer amor que vem
desse vagabundo e bobo
coração atrapalhado
procurando o endereço
de outro coração fechado

Amor é pra quem ama
Amor matéria-prima
A chama
O sumo
A soma
O tema
Amor é pra quem vive
Amor que não prescreve
Eterno
Terno
Pleno
Insano
Luz do sol da noite escura
"qualquer amor já é
um pouquinho de saúde
um descanso na loucura"

E essa frase: “qualquer amor já é um pouquinho de saúde” era tudo que eu estava precisando ouvir hoje; e vindo de quem veio, teve mais valor ainda.

Há alguns dias comentei com Flávia sobre meu desânimo quase que total nesse verão de férias que se tornou praticamente uma hibernação, já que agora com ar condicionado no quarto, o que mais fiz foi dormir. Dormi a manhã inteira, a tarde inteira, a noite inteira… tudo isso na maioria dos dias de janeiro.

Planejei ir passar ao menos um final de semana em Salvador, pra “sentir” que tive férias, mas na hora H “brochei”. Cadê ânimo? Cadê energia? Cadê força pra fazer qualquer coisa que seja???

Minha saúde não está lá essas coisas, a tal da tosse que “era refluxo” na verdade não era, quero dizer, ninguém conseguiu descobrir nada, e ainda estou tossindo. Menos, mas ainda não estou 100%. E na semana do Natal descobri uma erupção na perna esquerda, que pareceu ser uma picada de inseto ou um pêlo encravado, mas não coçou, não doeu, espremi e não saiu nada… fui deixando, esperando o tempo passar, mas o treco não se resolvia, e nos últimos dias começou a doer.

Hoje acordei “animada” e #partiudermatologista. Com um livro na bolsa (Cora Coragem, Cora Poesia), pronta para passar o dia inteiro que fosse, mas resolver essa pendenga.

A Dra, Dermato foi realmente BOA. Disse que depois de eu já ter "furado", tomado antibióticos (para sinusite) e passado pomada anti-inflamatória, o passo seguinte era retirar o que ela achava que era um tumor benigno, mas que só poderia ter certeza depois da biópsia. Perguntei quando ela podia fazer, e ela: agora mesmo, se você quiser. Foi só o tempo de pegar a autorização por telefone no plano e já estava dentro da sala de novo. Ela foi muito cuidadosa, simpática, bem humorada, conversou comigo o tempo inteiro, sem tirar os olhos do que estava fazendo. Eu vi tudo, parecendo que não era o meu corpo que estava sendo cortado! Não senti NADINHA de dor, nem antes, nem durante, nem depois. Ela só deixou fotografar quando estava costurando. E por conta do lugar e do tipo de lesão, a costura foi trabalhosa. ela deu maisdenãoseiquantos pontos.

Mas todo esse papo foi pra situar que eu contei tudo isso a Flavia e ela me mandou a música. Senti amor navegando pelas ondas da internet e chegando até mim! E no nosso papo via facebook, ela me disse: “Bel, vc ñ pode se descuidar, viu? ñ pode e dar sustos. ñ pode ficar doente... vc é minha melhor amiga.” E apesar de eu não ser muito disso de “melhor amiga” (eu tenho várias melhores amigas, de acordo com os assuntos e as abordagens da vida), percebi que Flávia é aquela pra quem eu ligo quando tenho uma coisa boa pra contar ou quando tô muito retada com alguma coisa, e com quem me abro nos meus momentos deprê, que não são poucos.

Essa lôra linda que é bem mais nova do que eu (e que pra completar tem uma cara de menininha) é uma amiga e tanto.

Nos conhecemos em 2005, na UESC, quando trabalhamos juntas no Projeto Memória do Rádio Grapiúna, mas parece que é amizade de infância. Sei lá, diante dela eu não me preocupo em filtrar nada do que digo ou faço, e já teve até quem achasse que nós duas tínhamos um caso(!). Por aí vocês tiram. Em 2012 ela passou seis meses trabalhando aqui em Ilhéus, e foi um tempo muito, muuuuito bom, onde eu tinha companhia pro Pilates, pra caranguejo em dia de semana, banhos de piscina no final da tarde e aconteciam as tardes/noites das meninas na casa dela ou na casa de Dinah…

Tenho saudade. Saudade de ter quem topava qualquer programa, ou quem dizia que não ia pro pilates porque não queria acordar às 8h da madrugada. Sim, nós nos entendemos no horário biológico! E em muitas outras coisas que, mesmo pensando diferentes, nos respeitamos e assim nossa amizade é o que é.

Amo você, lôra. Vem me ver no carnaval, vem!!!

8 comentários:

Flavia disse...

Sua amizade me emociona. Apesar da música parecer que combinava com o seu momento, se encaixou perfeitamente no meu. Me sinto só e sem rumo. Poder conversar com vc, ter sua amizade e compreensão me acalma.
Eu não me recordava dessa história de "caso" rsrs . Parece que as pessoas esqueceram que o amor se vive de diversas formas.
Obrigada pelo carinho Bel. Te amo!

Bel disse...

<3 <3 <3 <3 <3 <3 <3

Tucha disse...

Amigos sempre são pontos de alegria e reflexão na nossa vida.
E vamos sacudir está tristeza, cuidar da saúde e tocar a vida pra frente.

Jullyane Teixeira disse...

Que lindo, Bel! Amigxs fazem nossos dias tão mais bonitos, né? Muitos anos de amizade pra vcs! Beijos

Carla Ceres disse...

E eu pensando que você estava toda feliz, andando de canoa na chuva e curtindo uma de tia-avó, Bel. Jamais imaginei que, nos intervalos, estivesse fotografando o próprio mini procedimento cirúrgico. Mulher, você é corajosa e mantém um sorriso lindo em qualquer clima. Tenho orgulho de você. Fique firme que as coisas vão melhorar. Beijos!

.Intense. disse...

"eu tenho várias melhores amigas, de acordo com os assuntos e as abordagens da vida."

coisa bonita e importante de saber, isso. acho que muitas amizades se perdem ao sabor do vento porque as pessoas não entendem isso - se sentem excluídas de uma ou outra situação sem entender que cada amigo tem seu espaço e que isso não desfaz em ninguém. talvez eu já tenha cometido esse erro. e só por isso hoje eu sei que é importante saber...

;)

Inaie disse...

que lindo esse post, belzoca!

Cadinho RoCo disse...

Pelas fotos percebe-se bela sintonia entre vocês. Desejo que fique bem.
Cadinho RoCo