23.2.16

Lua Cheia, fevereiro, 2016.


Pra que me serve esta foto?

1. Pra me mostrar o poder de Deus, Criador e Sustentador do Universo, com suas leis que fazem com que os astros tenham seu lugar no espaço,  sigam seu caminho, sem que um interfira no outro.

2. Para me lembrar que o tempo passa,  em ciclos, inexoravelmente. 

3. Para me dizer que meus planos não tem lá grandes importâncias nesse Caminho do Universo. Essa lua cheia deveria me encontrar arrumando as malas para ir para a Cidade Maravilhosa, trabalhar num projeto lindo e cheio de possibilidades; encontrar família e amigos queridos, aprender coisas novas e... relaxar, aproveitando o finalzinho das férias.

Era isso. Mas não é mais. Mudou tudo. Primeiro mudou o fato de que nao existe mais "finalzinho de ferias", porque não tenho mais o emprego na Universidade. Mudaram minhas prioridades, mudou toda a situação,  mudaram todos os meus planos. Ou melhor, não existem mais planos.

Há dez dias estou fora do ar, cuidando da vida dos meus pais e esquecendo da minha. Depois de dez dias abri meu notebook, só pra assinar está foto. Há dez dias estou lutando para manter a sanidade mental ameaçada pelo  cansaço, mantendo a acupuntura, a manicure, a massagem e a terapia. Há dez dias estou sem sentir o tempo passar, e ao mesmo tempo vendo que ele não me permite fazer nada do que eu preciso.

Sei que este texto está altamente narcisista, cheio de eus e  de verbos conjugados na primeira pessoa do singular. Mas estou pra explodir, sentindo que não dou conta de mais um palito de fósforo que se apresente para que eu risque.

Ainda sem diagnóstico para minha mãe,  com exames por fazer e sem conseguir nem marcar, com uma medicação que não sabemos se é a correta, já que o diagnóstico não foi fechado, meu pai também adoeceu, e está internado desde ontem. Em uma semana vi o Samu parar duas vezes na porta de casa e levar meus velhinhos. Em uma semana conheci quase todos os funcionários de dois pavilhões do Hospital São José.  Em uma semana precisei  tomar várias decisões importantes, incluindo contratar pessoas para estar na casa deles 24h por dia, alugar apartamento, vender carro... coisa demais pra minha cabeça DDA.

Não posso dizer que estou me sentindo só,  em meio a esse turbilhão que me levou de rodo. Deus providenciou anjos com  várias  caras, para me ajudar a tomar decisões e  cuidar de mim. Mas ao mesmo tempo sinto (de novo) que está é  uma luta minha e que preciso lutar sozinha. Enfim...
E hoje, olhar pra lua cheia, em vez de me dar o prazer que sempre me dá, só me faz ficar cheia de questões e angústias. 
Esse texto vai terminar com um trecho da música "Felicidade" de Marcelo Jeneci, que está rodando em looping no Spotify desde ontem.

"Tem vez que as coisas pesam mais
Do que a gente acha que pode aguentar.
Nessa hora, fique firme,
Pois tudo isso logo vai passar.

Você vai rir, sem perceber:
Felicidade é só questão de ser.
Quando chover, deixar molhar,
Pra receber o sol quando voltar.

Melhor viver, meu bem...
Pois há um lugar em que o sol brilha pra você!
Chorar, sorrir também, e depois
Dançar na chuva quando a chuva vem!"

E se der, busque no Google a letra de "Feito pra acabar", do mesmo Jeneci.

4 comentários:

Tâmara disse...

Nem precisaria comentar, porque seu texto já diz tudo!
Vai passar!
Se tem uma coisa que aprendi com a maternidade, é que, realmente, tudo passa, pode não continuar igual como antes, mas passa!
E que bela canção, irei dormir ouvindo!
Aqui estamos saindo de uma virose braba, eu e Lulu. Eu tive que ir para emergência porque a dor que sentia parecia que estavam quebrando meus ossinhos com martelo. Mas passou!
Engraçado que estava indo agora mesmo ressuscitar meu blog com minhas angustias do dia, porque não cabe no Facebook, falta empatia de quem anda por lá!

Força para você e seus velhinhos!
Saudade, Bel!

Tâmara disse...

Ahh,
para terminar com música, estava escutando essa aqui lendo seu post:

Paciência

Mesmo quando tudo pede um pouco mais de calma
Até quando o corpo pede um pouco mais de alma
A vida não para

Enquanto o tempo acelera e pede pressa
Eu me recuso faço hora vou na valsa
A vida é tão rara

Enquanto todo mundo espera a cura do mal
E a loucura finge que isso tudo é normal
Eu finjo ter paciência
E o mundo vai girando cada vez mais veloz
A gente espera do mundo e o mundo espera de nós
Um pouco mais de paciência

Será que é tempo que lhe falta pra perceber
Será que temos esse tempo pra perder
E quem quer saber
A vida é tão rara (Tão rara)

Mesmo quando tudo pede um pouco mais de calma
Até quando o corpo pede um pouco mais de alma
Eu sei, a vida não para (a vida não para não)

Será que é tempo que lhe falta pra perceber
Será que temos esse tempo pra perder
E quem quer saber
A vida é tão rara (tão rara)

Mesmo quando tudo pede um pouco mais de calma
Até quando o corpo pede um pouco mais de alma
Eu sei, a vida é tão rara (a vida não para não... a vida não para)

Jady disse...

Como Tâmara disse, o texto já diz tudo. E como dizem, Deus manda o frio de acordo com o cobertor. Você aguenta preá. Eu ACREDITO nisso.

Aline Monteiro disse...

Bel, que texto! Intenso, forte. Impossível não sentir com você a grandeza do universo, a intensidade do momento, a sua força (por mais que pareça que ela não está muito por aí agora). Tô de longe, pensando muito em você, Papis e Mamis (e Cau também), querendo muito que tudo se resolva e você possa descansar e ser muito mimada por quem te ama (o/).
Bjo, fica bem!