5.4.16

"Como eu era antes de você"

De Jojo Moyer, baixado em formato e-pub, no site www.lelivros.com , marcou meu retorno à literatura despretensiosa. Falei aqui que estava "Intelectualmente, estou cansada. Cansada de não pensar, de não ler, de não assistir um filme, série, nada." E é fato.  Se quando a gente precisa ler demais pra um curso, pra escrever um artigo ou preparar uma aula a gente cansa, garanto que cansa mais ficar SEM ler.

Era como se minha mente fosse ficando em crise de abstinência de coisas suculentas de conteúdo. Ler os posts [babacas or not] no facebook via celular, jamais será suficiente. E um ou outro link que parecia interessante terminava no limbo dos links salvos para mais tarde.

Sei que esses dois meses foram puxados em todos os aspectos, e o primeiro sintoma de cansaço foi o fato de eu me desinteressar de absolutamente tudo. Me fechar completamente  e me afastar de coisas que sempre me foram caras, como a leitura, foi um sinal de que a coisa estava passando do limite.

Mas mesmo com o sinal de alerta piscando, não consegui agir por mim mesma. Olhava as possibilidades e simplesmente pegava o celular e ia ligar bolinhas coloridas,  ou números iguais tentando quebrar meu recorde indefinidamente.

Mas no final de semana, Jady postou uma foto da capa de "A última carta de amor", também de Jojo Moyer, e recomendou a leitura. Fui lá, baixei, e aproveitei pra baixar também "o primeiro", "Como eu era antes de você", e sem motivo específico, comecei por ele (talvez porque fosse "o primeiro").

Tinha que ser. O tema me é muito pertinente no momento, e, apesar dazamigas me avisarem "vai chorar"...  eu encarei (como se não tivesse chorado pouco nesses tempos!).  Não chorei tanto, por fora, mas sangrei por dentro. Me senti na pele de todos os personagens, em algum momento. De Lou a Treena, de Will, ao vovô, passando por Nathan, a mãe e o pai. (Só não me senti Thomas! )

Se recomendo? Sim. Mas só se você quiser ler além da história, e pensar nas questões levantadas.  Porque se for só pela história, vai chorar e se frustrar, ficar com raiva e desejar ser a autora pra mudar o final.

Agora estou aqui, pensando, pensando, remoendo  decisões e imaginando como eu teria reagido, sendo cada um dos personagens. Especialmente porque posso MESMO vir a precisar de algumas dessas decisões. E mais não posso dizer, que seria spoiler.




Nenhum comentário: