29.11.17

12 anos, ou Sobre o Tempo

Em cerca de meia hora este blog completa 12 anos, um adolescente. Lembrei o dia inteiro, mas  não tive condições de parar para escrever, embora tenha ficado boa parte do dia no notebook, editando fotos. Enfim, estou começando antes da 00:00 H do dia 29 de novembro, pra ver se consigo publicar assim que "virar" a data no calendário.


A motivação de ter um blog foi uma... hoje ela é outra. Comecei escrevendo para mim, mas com a intenção explícita de que alguém mais lesse. Hoje isso está bem mudado. Escrevo para me registrar, para ME lembrar do que sinto, do que passo, do que vejo, do que me importa... E nem sempre desejo que outras pessoas leiam. Quando quero, mando o link para alguém, de acordo com o interesse do post. Poucos são os leitores que vêm por conta própria, embora eu continue deixando um tweet automático a cada postagem.

Já fiz festas lindas aqui... o primeiro ano foi com amigos blogueiros convidados,um para cada mês do ano que findava. Outros anos (veja os marcadores aí do lado --> ) foram celebrados de maneira mais intimista, e teve até ano que esqueci, só lembrei no dia seguinte. No fim das contas, acho que cada celebração foi condizente com minha fase de vida, e é assim que tem que ser. Este blog não tem um tema específico, não tem regras, não tem pauta pré-definida (é a minha própria Reuters), e me dá a real dimensão de quem sou e como estou.

Ultimamente tenho pensado bastante sobre o tempo, e sua passagem. Nada novo, (como diria Saló, o grande sábio, nada de novo sob o sol), mas a reflexão é sempre válida. Outro dia, postei no facebook:
"O tempo é mesmo uma coisa louca. Fui a Aracaju fotografar a chegada de Mariana, e fiquei lá por uma semana depois que ela nasceu. Voltei e já aconteceu tanta coisa... quando olho no calendário... ainda não tem nem um mês. Na verdade, mal tem 15 dias que voltei. Esse novembro está mais parecendo agosto..." 
O que faz a gente sentir que o tempo está demorando a passar? Uma espera? Decisões em suspenso? Atividades que não são exatamente super hiper mega power prazerosas? Problemas? Ou tudo isso junto?

Porque quando a gente está em paz, satisfeita e feliz, o tempo é um ladrão. Sai correndo, e a gente nem percebe que ele passou. 

Tem pessoas que eu gostaria de ver todo dia, e passo meses sem conseguir dar um math nas agendas pra a gente se ver. Outras chegam a ser anos, por motivos de milhares de Km entre nós. E outras, tão perto, continuam distantes, inda que vendo todo dia. Einstein é que tinha razão: tudo é relativo.  O tempo passa, na velocidade que quer... me deixa esperando por horas que parecem séculos e me faz perder o trem por minutos de desatenção. Provoca prazeres inesperados e intensos, decepções igualmente inesperadas e intensas... Faz com que o espelho me mostre imagens diferentes a cada vez que olho pra ele.

O tempo faz mudar as prioridades, os valores, as motivações. Por isso é sempre bom fazer um balanço  do que se quis e do que se quer, do que se acreditava e do que se acredita, do que se tinha medo e do que se tem... do que se fez e do que se quer fazer.

Nos últimos dois anos minha vida mudou radicalmente. Umas coisas melhoraram, outras deram pra trás, e no balanço geral, acho que está meio equilibrado. Estou na dúvida eterna se o copo está meio cheio ou meio vazio, mas vou beber assim mesmo. Que ele mate minha sede, me alimente, me dê prazer, me cure. Tintim!!!


_________

Trilha sonora reflexiva: Resposta ao Tempo, Nana Caymmi; A Lista, Oswaldo Montenegro.

2 comentários:

Anônimo disse...

Pedras ou seus próprios filhos, Cronos a todos devorava com a mesma indiferença.

Aline Monteiro disse...

Parabéns pelo aniversário!
É curioso como, no auge dos blogs, formávamos redes de conhecidos (a nossa resultou nas Meninas da Laje!). É mais curioso ainda notar como continuamos amigas, mesmo que muitos dos blogs tenham morrido (ou estejam moribundos) pelo caminho.
Vida longa aos blogs e às redes!
Bjoooo!