4.12.17

Dezembro

Já faz (ou fazem, sei lá) alguns anos que não gosto de dezembro. Havia um motivo inicial, mas depois outros dezembros foram chegando e trazendo seus próprios motivos de me fazer desgostar.

Mas decidi que esse ano vai ser diferente. Não tão  diferente que me faça decorar a casa com motivos natalinos, mas diferente no meu sentimento interior.

Desde a semana passada estou com uma ânsia de renovação da energia, do astral da minha casa. Foram tantas coisas quebrando (portão da garagem,  ar condicionado, bomba d'água,  modem, além de cupim na estante da sala e num móvel do quarto/escritório...) que me deu a sensação de que precisava fazer algo pra transformar isso e LOGO. No começo de dezembro.

Com minha absoluta incapacidade de manter as coisas arrumadas, e sem ajuda profissional de uma secretária do lar,  o ano  se passou e acumulei "porcaria" demais. Isso começou a me dar uma angústia, vontade de praticar uma sessão descarrego (que é  mais potente do que uma sessão desapego) e sair me desfazendo de tudo que não tem função específica (prática ou afetiva), para deixar o ambiente mais leve, limpo e pronto para receber 2018 com espaço para tudo de bom que ele trará.

Coisa foi ficar sentindo esse desejo, e ir procrastinando, sempre deixando pra amanhã.  Hoje não deu mais pra suportar, e apesar de amanhã começar uma semana punk com compromissos fotográficos intensos de segunda a segunda... passei o domingo enchendo sacos de coisas para lixo ou doação.

Confesso que a casa ficou mais bagunçada do que estava, pois só consegui fazer a seleção do que vai embora e ainda não arrumei o que vai ficar. Mas meu coração já está bem mais leve. E amanhã a diarista vem e vai fazer a parte que eu não fiz - arrumar.

Enchi 4 sacos gigantes com uma bagaceira inenarrável de papéis,  coisas inúteis e velharias desnecessárias... que me fizeram lembrar de quantas vezes resolvi tentar aderir ao minimalismo. Não sou daquelas que compra demais... mas sou das que fica achando que "um dia vou precisar disso" e a coisa vai ficando. Até perceber que já se passaram 5 anos e não usei aquilo, ou não li aquele livro... tomo coragem e me jogo no desapego.

Então esse dezembro começou me fazendo leve... me permitindo sorrir e desfrutar do prazer de me apegar apenas ao que me deixa sorrindo à  toa, especialmente quando o que me deixa com cara de boba não é algo que ocupa espaço na casa, mas somente no coração e nas memórias.

Queria ter tirado fotos de tudo isso que fiz hoje, mas não tirei. Nem da lua cheia que está um escândalo no céu... mas no meu coração estão gravadas as imagens que tornaram meu dezembro diferente dos últimos anos. 😉

Um comentário:

Aline Monteiro disse...

Pra mim, dezembro sempre foi o mês dessa limpeza material (e espiritual, que vem acoplada, né?). Infelizmente, em 2017 eu não vou conseguir fazer como todos os anos.
Fiquei feliz com a sua postagem, Bel! Me deu ânimo pra seguir aqui.
Bjo!!!